EUA. Voto a voto, democratas aumentam vantagem

  • Lusa
  • 13 Novembro 2018

Uma semana após as eleições, os votos ainda estão a ser contados em vários estados. Os democratas vão reforçando a vantagem para a Câmara dos Representantes e a margem no Senado é mais estreita.

Os resultados das eleições intercalares nos EUA, do passado dia 6 de novembro, ainda não são totalmente conhecidos, mas votos recentemente apurados confirmam um substancial reforço dos democratas contra o Partido Republicano do Presidente Donald Trump.

A candidata democrata Kyrsten Sinema assegurou, esta terça-feira, o lugar no Senado pelo Arizona, tornando-se a primeira mulher naquele posto, após um prolongamento de contagem de votos numa eleição renhida das intercalares nos EUA. A disputa entre Kyrsten Sinema e a candidata republicana Martha McSally era uma das eleições mais observadas e a diferença de resultados era tão curta que obrigou a uma contagem lenta dos votos, que apenas terminou segunda-feira à noite (madrugada de hoje em Lisboa).

Uma semana após as eleições intercalares nos EUA, os votos ainda estão a ser contados em vários Estados. Em casos como o da Florida, onde ainda estão em aberto os resultados para as duas câmaras de Congresso, foi mesmo decidida uma recontagem de votos, que ainda decorre e deverá prolongar-se durante mais alguns dias.

À medida que a contagem de votos continua, fica claro que os Democratas solidificam a vantagem para a Câmara de Representantes e que, no final, os Republicanos manterão o controlo do Senado, mas por uma margem estreita.

“Ao longo da última semana, passámos de ter ficado aliviados por ganhar a Câmara de Representantes para ficar muito satisfeitos por uma onda genuína, progressiva e inspiradora, de vitórias democratas”, afirmou Ben Wikler, diretor do grupo MoveOn, associado ao Partido Democrata.

Os bons resultados dos Democratas, para a Câmara de Representantes e para os Governos estaduais, terminam o monopólio Republicano em Washington e dão mais força aos democratas em estados considerados fundamentais para as próximas eleições presidenciais, em 2020.

Contudo, os dirigentes republicanos desvalorizam esta leitura, salientando a vitória para o Senado, bem como a manutenção de alguns bastiões conservadores. “Graças ao apoio dos movimentos a favor de Donald Trump e à estratégia do nosso partido, conseguimos desafiar a História e conseguir ganhos importantes no Senado”, disse a líder do Comité Nacional do Partido Republicano.

A principal preocupação de Donald Trump é a maioria Democrata na Câmara de Representantes, lugar de estratégia das agendas legislativas dos partidos, onde as mais recentes projeções indicam que o Partido Democrata pode ganhar até 40 lugares, quando todos os votos estiverem contados (muito acima dos 23 lugares de que necessitavam para ficar em vantagem na câmara baixa do Congresso).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA. Voto a voto, democratas aumentam vantagem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião