Economia alemã contrai pela primeira vez desde 2015

Pela primeira vez em três anos, a economia alemã contraiu, em cadeia, no terceiro trimestre deste ano. O PIB do Alemanhã registou um recuo de 0,2%.

O Produto Interno Bruto (PIB) da Alemanha contraiu pela primeira vez em três anos, ou seja, desde o primeiro trimestre de 2015. Do segundo para o terceiro trimestre, a economia alemã registou um recuo de 0,2%, de acordo com a estimativa do gabinete de estatística alemão. Os mercados já estão a reagir negativamente. O principal índice bolsista alemão, o DAX, está a negociar em terreno negativo com perdas de 1,12%.

É necessário recuar ao primeiro trimestre de 2013 para encontrar uma contração superior. O cenário explica-se pela indústria automóvel que desacelerou de julho a setembro e, rapidamente, fez a economia alemã ressentir-se.

Depois dos números do primeiro semestre — o PIB cresceu 0,4% no primeiro trimestre e 0,5% no segundo — os dados do terceiro trimestre mostram-se, agora, ainda piores do que o que era esperado pelos economistas consultados pela Bloomberg, que apontavam para um contração mais ligeira (0,1%).

De acordo com a Bloomberg (acesso livre), o desacelerar da maior das economias da Zona Euro é ditado pela indústria automóvel. Ainda que o gabinete de estatísticas alemão (Destatis) não o mencione, a publicação norte-americana avança que a produção automóvel alemã travou no mês de setembro, motivada pelos novos testes de emissão de gases.

Contudo, de acordo com os cálculos provisórios da Destatis, também as exportações contraíram, enquanto as importações continuaram a aumentar. Quanto ao consumo das famílias, este registou uma queda, mas o investimento em máquinas e na construção, por sua vez, foi maior do que no trimestre anterior.

(Notícia atualizada com mais informação às 08h48)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Economia alemã contrai pela primeira vez desde 2015

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião