Não é só Portugal. Espanha também quer incentivar os seus emigrantes a regressarem ao país

  • Lusa e ECO
  • 14 Novembro 2018

O projeto propõe facilitar o contacto pela Internet entre expatriados e as empresas espanholas que procuram mão-de-obra especializada, e não prevê fornecer assistência financeira ao regresso.

O Governo socialista espanhol vai criar um programa para incentivar, a partir do início de 2019, o regresso ao país de trabalhadores qualificados que emigraram durante a crise económica de 2008-2013.

“Queremos construir um país para regressar”, disse esta quarta-feira em Madrid a secretária de Estado das Migrações, Consuela Rumí, durante a apresentação da Estratégia do Plano de Regresso em que destacou a necessidade de “não olhar para o outro lado, nem fechar os olhos a essa realidade que produziu o êxodo de talentos”.

O Governo português também incluiu na proposta do Orçamento do Estado para 2019 uma medida neste sentido, para incentivar o regresso dos emigrantes. Esta prevê o alívio da carga fiscal para aqueles que regressem ao país, pagando apenas metade do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) nos primeiros tempos após o retorno.

O número de espanhóis no estrangeiro aumentou em mais de 940.000 desde de 2009, quando o desemprego aumentou devido à crise económica. Consuela Rumí referiu que a maioria dos emigrados eram jovens qualificados – engenheiros, cientistas, médicos, etc – que o Governo liderado por Pedro Sánchez pretende agora ajudar a regressar ao país.

O programa previsto começar no início de 2019 consiste principalmente em facilitar o contacto pela Internet entre expatriados e as empresas espanholas que procuram mão-de-obra especializada.

Por outro lado, o executivo espanhol não pretende fornecer assistência financeira ao regresso, com exceção de alguns projetos, “por exemplo de investigação, que seriam muito importantes e trariam valor acrescentado” para Espanha.

A secretária de Estado reconheceu a “resistência” por parte dos emigrantes, já que as condições de trabalho são muitas vezes menos favoráveis em Espanha. O país ainda tem a segunda maior taxa de desemprego na Zona Euro (14,5% em setembro) e vai à frente no número de contratados a prazo (26,9%), duas situações que pressionam para baixo o valor dos salários.

Estima-se em 2,5 milhões o número de espanhóis que vivem no estrangeiro, dos quais 1,5 milhões vivem no continente americano, enquanto uma grande proporção dos migrantes que partiram durante a crise está atualmente no Reino Unido e na Alemanha.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Não é só Portugal. Espanha também quer incentivar os seus emigrantes a regressarem ao país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião