Costa espera concretizar certificação de dívidas de Angola a empresas portuguesas

  • Lusa
  • 15 Novembro 2018

O primeiro-ministro considerou hoje que a visita a Portugal do Presidente de Angola, João Lourenço, é "um momento alto" nas relações luso-angolanas.

O primeiro-ministro considerou esta quinta-feira que a visita a Portugal do Presidente de Angola, João Lourenço, é “um momento alto” nas relações luso-angolanas e adiantou que espera concretizar o processo de certificação das dívidas a empresas portuguesas.

António Costa assumiu esta posição em declarações aos jornalistas em Monsanto, Lisboa, antes de presidir à cerimónia de entrega do Prémio Bartolomeu de Gusmão para distinguir inovação científica.

Para o primeiro-ministro, a visita de Estado que o Presidente de Angola efetuará a Portugal, entre 22 e 24 deste mês, “será uma oportunidade” para se concretizarem vários processos, designadamente “o trabalho já iniciado em setembro, em Angola, em matéria de certificação de dívidas”.

Questionado se o problema das dívidas do Estado angolano a empresas portuguesas está resolvido, António Costa referiu que “está em curso”.

“O que está a ser feito era fundamental para se restabelecer a confiança, sem a qual o investimento das empresas portuguesas poderia ser afetado – e era importante que não fosse, porque a relação económica entre os dois países é muito importante”, sustentou António Costa.

O primeiro-ministro salientou, em seguida, que é importante “aproveitar este momento de recuperação económica em Portugal e em Angola”.

“Este é mesmo o melhor momento para crescermos”, sustentou.

António Costa afirmou, depois, que a visita do chefe de Estado angolano a Portugal “é seguramente um momento alto”.

“Na sequência da visita que fiz a Angola em setembro passado, a presença do Presidente João Lourenço em Portugal completa este ciclo de relançamento das nossas relações”.

Segundo o primeiro-ministro português, a visita de Estado de João Lourenço “terá momentos importantes, como no seminário económico ou na intervenção que fará na Assembleia da República”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa espera concretizar certificação de dívidas de Angola a empresas portuguesas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião