Pressão da guerra comercial alivia. Wall Street avança

O Presidente dos EUA afirmou que a China está disposta a um acordo comercial com o seu país, notícia que levou as ações norte-americanas a darem a volta e a encerrarem a sessão com ganhos.

Após um arranque negativo, Wall Street deu a volta e terminou a última sessão da semana com ganhos. O avanço chegou a dois dos três principais índices bolsistas, com os investidores a receberem com agrado as palavras de Donald Trump de que a China está disposta a fechar um acordo comercial com a maior economia do Mundo. É um alívio da pressão comercial que agradou aos mercados.

O S&P 500 encerrou a valorizar 0,24%, para os 2.736,79 pontos, enquanto o Dow Jones apreciou 0,51%, para os 25.418,95 pontos. Apenas o Nasdaq não acompanhou a subida destes dois índices, tendo fechado a última sessão da semana a perder 0,14%, para os 7.248,52 pontos.

Ainda assim, o índice limitou as perdas que registava no início da sessão, num dia em que as previsões dececionantes para as empresas Nvidia e Applied Materials, contagiaram negativamente o setor. Em causa estão as preocupações dos investidores relativamente a um eventual fim do boom da indústria de fabrico de placas gráficas, em resultado da quebra de mineração de criptomoeda. As ações da Nvidia acabaram por ainda assim encerrar com um tombo de quase 19%.

Ainda assim as palavras de Trump acabaram por se impor no sentimento dos investidores. Nesta sexta-feira, o presidente norte-americano afirmou que a China está disposta a concluir um acordo comercial com o seu país, referindo que podem não ser necessárias taxas aduaneiras adicionais sobre os produtos chineses.

“A China quer chegar a um acordo. Eles enviaram uma lista do que estão dispostos a fazer para se chegar a um compromisso”, afirmou Donald Trump. O Presidente norte-americano considerou que o acordo “ainda não é aceitável”, mas manifestou confiança que “muito em breve” os dois países possam chegar a um entendimento.

Os títulos do setor industrial, da utilities e da energia acabaram por figurar entre os principais destaques positivos da sessão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pressão da guerra comercial alivia. Wall Street avança

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião