Primeira estrela Michelin em Portugal data de 1926 e a segunda chegou em 1936

  • Lusa
  • 19 Novembro 2018

O primeiro Guia Michelin ibérico data de 1910, mas seria preciso esperar até 1926 para surgir a primeira distinção em Portugal e mais dez anos para a segunda.

O primeiro Guia Michelin ibérico, considerada uma referência mundial na qualificação de restaurantes, data de 1910, mas seria preciso esperar até 1926 para surgir a primeira distinção e mais dez anos para chegar a segunda estrela.

Na história de mais de um século do Guia Michelin em Portugal, dois restaurantes detêm o recorde de longevidade: o Porto de Santa Maria (Cascais) teve uma estrela Michelin durante 25 anos (1984-2008), tantos como o Vila Joya (Albufeira), que ganhou a primeira estrela em 1994 e, cinco anos depois, conquistou a segunda estrela, distinção que mantém até hoje.

O Guia Michelin nasceu em França em 1900, como uma forma de ajudar a empresa a vender pneus, promovendo deslocações de carro para hotéis e restaurantes que avaliava. Dez anos depois, surgiu a edição de Espanha e Portugal e, três anos mais tarde, uma edição única para Portugal, que, ao longo dos anos, foi tendo algumas intermitências, ora não sendo editada ora juntando-se com o guia espanhol.

As distinções do guia vermelho são equiparadas aos óscares da gastronomia e têm três categorias: uma estrela (cozinha de grande finura, compensa parar), duas estrelas (cozinha excecional, vale a pena o desvio) e três estrelas (cozinha única, justifica a viagem).

De acordo com um levantamento de Antonio e Juan Cancela, dois irmãos espanhóis que detêm uma das duas coleções integrais dos guias Michelin no mundo, o Santa Luzia (Viana do Castelo) e o Hotel Mesquita (Vila Nova de Famalicão) foram os primeiros restaurantes portugueses a receber a primeira distinção, em 1929, que mantiveram, ambos, durante sete anos.

Em 1936 surgiu a primeira atribuição de duas estrelas a um restaurante português, o Escondidinho (Porto), que manteve durante três anos. Depois, seria preciso esperar mais de 60 anos para o Vila Joya alcançar a mesma distinção, em 1999.

Dos restaurantes portugueses distinguidos na edição de 2018, o Henrique Leis (Almancil, chef Henrique Leis) é o mais antigo, com uma estrela desde 2001, seguindo-se a Fortaleza do Guincho (Cascais, Miguel Rocha Vieira), desde 2002.

Atualmente, Portugal tem cinco restaurantes com duas estrelas Michelin: Vila Joya (chef Dieter Koschina); Ocean (Armação de Pêra, Hans Neuner); Belcanto (Lisboa, José Avillez), Il Gallo d’Oro (Funchal, Benôit Sinthon) e The Yeatman (Vila Nova de Gaia, Ricardo Costa), além de 18 restaurantes com uma estrela.

Na próxima quarta-feira, Lisboa acolhe, pela primeira vez, a gala de apresentação do Guia Michelin Espanha e Portugal, durante a qual serão anunciados quais os restaurantes que ganham, mantêm ou perdem estrelas na edição de 2019.

Durante a cerimónia, com cerca de 500 convidados, sete ‘chefs’ de restaurantes da região de Lisboa vão preparar um jantar: José Avillez (Belcanto, o único com duas estrelas na capital portuguesa), Henrique Sá Pessoa (Alma), Joachim Koerper (Eleven), João Rodrigues (Feitoria), Miguel Rocha Vieira (Fortaleza do Guincho), Sergi Arola (LAB) e Alexandre Silva (Loco), todos com uma estrela.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeira estrela Michelin em Portugal data de 1926 e a segunda chegou em 1936

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião