Na galáxia Michelin, Portugal já tem 28 estrelas

Dois restaurantes portugueses trouxeram para casa mais duas estrelas Michelin. Portugal conta, agora, com 18 restaurantes com uma estrela e cinco com duas estrelas.

Portugal continua a dar cartas em todas as categorias. Desta vez foi na gastronomia, depois de trazer para casa mais dois restaurantes com as suas primeiras estrelas Michelin. Os critérios são exigentes, mas o país tem estado à altura, depois das nove estrelas angariadas o ano passado, os portugueses podem agora visitar 23 restaurantes em território nacional com, pelo menos, uma estrela Michelin.

Foram dois os restaurantes nacionais que angariaram as suas primeiras estrelas Michelin na edição de 2018 do Guia Espanha e Portugal, que pretendia destacar o crescente gosto pela alta gastronomia. A cerimónia decorreu em Tenerife, nas Canárias, e contou com cerca de 500 convidados, entre chef’s de cozinha, empresários e imprensa espanhola e portuguesa.

O restaurante Vista, em Portimão, do chef João Oliveira, alcançou a sua primeira estrela, assim como o Gusto, em Almancil, do alemão Heinz Beck e do italiano Daniele Pirillo. “As honras do ansiado galardão no país lusitano vão para os restaurantes Gusto, que deslumbra com pratos com vincado cariz mediterrânico internacional, e Vista, onde se assina uma equilibra proposta de linha moderna, sempre cimentada à volta dos produtos da zona e do mar”, dizia a Michelin, na divulgação das novidades para o próximo ano.

Portugal fica, assim, a contar com 23 restaurantes dignos de estrelas Michelin — 18 com uma estrela e cinco com duas estrelas. O ECO preparou uma fotogaleria para conhecer os nossos ‘Ronaldos’ da gastronomia.

Restaurantes portugueses premiados com Estrela Michelin

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Na galáxia Michelin, Portugal já tem 28 estrelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião