Quem fez mais greve na Função Pública?

Foram mais de 45 mil os trabalhadores que pararam a 26 de outubro, o equivalente a 14,3% menos do que há um ano, apesar da união entre CGTP e UGT. Dois terços das cirurgias previstas foram adiadas.

19.021 trabalhadores das escolas do ensino básico e secundário fizeram greve a 26 de outubro, data da última paralisação na Função Pública, o equivalente a 15,3% do total de funcionários que reuniam condições para participar nesta forma de protesto. No entanto, foi na saúde que a percentagem de trabalhadores que aderiu à greve foi maior — mais de um quinto não foi trabalhar.

O balanço sobre a última greve na Função Pública já foi publicado no site da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP). E os dados permitem tirar várias conclusões. Uma delas é ver quais são os ministérios onde houve mais trabalhadores a fazer greve e que peso teve no serviço em causa.

Entre os 19 ministérios identificados pela DGAEP, depois da educação, foi na saúde onde o maior número de trabalhadores aderiu à greve (15.663), seguido da justiça (2.682), do Ministério das Finanças (2.572) e dos órgãos de soberania e entidades independentes (1.994).

No entanto, quando se observa a percentagem de trabalhadores em greve face ao total de funcionários em condições para parar em cada um dos serviços, a ordem não é aquela. Em primeiro lugar surge a saúde. Nos hospitais, centros de saúde e outras entidades, e nas administrações regionais de saúde o número de trabalhadores que aderiu à greve representou 22,2% do total.

Em segundo lugar surge o Ministério das Finanças, onde apesar de terem sido 2.572 os trabalhadores a parar para fazer greve, estes representaram 21,1% do total. O ranking dos ministérios onde o número de trabalhadores em greve atingiu um peso mais elevado é composto ainda pelo Ministério da Justiça (20,2%), pelos órgãos de soberania e entidades independentes (19,3%).

Os professores e funcionários das escolas surgem em quinto lugar na lista dos ministérios com maior percentagem de trabalhadores a fazer greve. Dos 124.392 funcionários em condições de fazer greve no dia 26 de outubro, 15,3% decidiram fazê-lo. No entanto, as consequências para os serviços foram maiores. Dos 4.555 estabelecimentos de educação e ensino básico e secundário (onde se incluem tanto serviços centrais como serviços desconcentrados e periféricos) 1.504 fecharam, ou seja, 33% não teve condições para abrir.

CGTP e UGT juntas, mas adesão à greve baixou

No total, 45.662 trabalhadores fizeram greve a 26 de outubro, o equivalente a 14,3%, o que levou ao fecho de 23,2%. Esta greve da Função Pública foi a primeira desde que António Costa tomou posse que juntou CGTP e UGT. No entanto, o número de trabalhadores que aderiu à paralisação caiu face ao verificado um ano antes (a 27 de outubro de 2017), quando 55.381 trabalhadores fizeram greve, 17,3% do total. No entanto, o número de serviços que não abriu portas é muito semelhante (23,9%).

A greve de 26 de maio de 2017 foi a que registou o nível de adesão mais baixo (11,7%).

A coordenadora da Frente Comum (afeta à CGTP), Ana Avoila, revelou que a paralisação da Função Pública neste dia registou “fortíssimos níveis de adesão” até ao final da manhã, na ordem dos 85%, sendo “uma das maiores greves dos últimos anos”, justificando esta opção com “uma perceção muito maior dos trabalhadores” sobre “a degradação continuada dos salários”, uma vez que os funcionários públicos não têm aumentos há dez anos. As negociações para os aumentos salariais ainda não foram retomadas, apesar de o Orçamento do Estado para 2019 estar já em fase final de aprovação no Parlamento. No documento, o Governo reservou 50 milhões de euros para aumentar os salários no Estado.

Os dados da DGAEP permitem ainda uma observação mais pormenorizada do que aconteceu no setor da saúde. 66,5% das cirurgias programadas não se realizaram e 25,3% das consultas ficaram sem efeito naquele dia. No caso das cirurgias regista-se uma ligeira descida face à última greve (de 27 de outubro de 2017) quando 68,7% das cirurgias previstas ficaram por fazer, um padrão próximo do verificado nesta legislatura, mas melhor do que foi registado na anterior, quando a 27 de junho de 2013 as cirurgias não realizadas chegaram a a atingir 92,6% das que estavam programadas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem fez mais greve na Função Pública?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião