Juiz proíbe Trump de recusar asilo a imigrantes

  • Lusa
  • 20 Novembro 2018

Trump emitiu um decreto a 9 de novembro, no qual negava asilo à maioria das pessoas que cruza a fronteira, numa resposta às caravanas de migrantes que condenara antes das eleições de novembro.

Um juiz federal proibiu temporariamente a Administração norte-americana liderada por Donald Trump de recusar asilo a imigrantes que cruzem ilegalmente a fronteira no sul dos Estados Unidos.

O juiz, Jon S. Tigar, emitiu uma providência cautelar na segunda-feira, em São Francisco.

O Presidente Donald Trump emitiu um decreto a 9 de novembro, no qual negava asilo à maioria das pessoas que cruza a fronteira, numa resposta às caravanas de migrantes que condenara antes das eleições de novembro.

A Administração Trump ordenou que os requerentes de asilo entrassem numa das 26 entradas oficiais da fronteira com o México.

Horas depois, grupos de ativistas colocaram uma ação em tribunal, argumentando que a lei dos Estados Unidos claramente permite que alguém peça asilo, independentemente da sua entrada no país.

Nos últimos anos, dezenas de milhares de imigrantes apareceram no deserto do Arizona ou na margem norte do Rio Grande, no Texas, rendendo-se a agentes de imigração, pedindo asilo. O Departamento de Segurança Interna estima que cerca de 70 mil pessoas por ano solicitem asilo entre as portas oficiais de entrada.

Trump argumentou que as atuais caravanas que reúnem milhares de pessoas e que se deslocam em direção à fronteira entre o México e os Estados Unidos constituem uma ameaça à segurança nacional.

Cerca de três mil pessoas que integram a primeira das caravanas em direção aos Estados Unidos chegaram a Tijuana, México, do outro lado da fronteira de San Diego, Califórnia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juiz proíbe Trump de recusar asilo a imigrantes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião