Ex-PGR fiscaliza partidos e rendimentos dos políticos

  • ECO
  • 20 Novembro 2018

Joana Marques Vidal, que esta terça-feira inicia funções no gabinete do Ministério Público, vai ter sob a sua alçada a fiscalização dos financiamentos dos partidos e rendimentos dos políticos.

Joana Marques Vidal, a ex- Procuradora Geral da República, cujo mandato ficou marcado pelo combate à corrupção, vai fiscalizar o financiamentos dos partidos e os rendimentos e incompatibilidades dos políticos, revela o Público (acesso condicionado).

A ex-PGR, que não foi reconduzida no cargo por António Costa, inicia funções esta terça-feira no gabinete do Ministério Público junto ao Tribunal Constitucional, e é por ali que passam todos os processos de fiscalização dos financiamentos políticos — das contas anuais dos partidos às contas das campanhas eleitorais –, bem como das declarações de património e rendimentos dos políticos e altos cargos públicos e dos processos de incompatibilidades e impedimentos de titulares de cargos públicos.

Fora do seu alcance fica no entanto o caso de incompatibilidade do ministro Siza Vieira, uma vez que o parecer do Ministério Público já foi emitido, com data de 3 de outubro.

O combate à corrupção é uma área que a ex-PGR considera crucial em democracia, como afirmou em entrevista ao Jornal Expresso, logo após ter deixado o cargo. “A luta contra a corrupção é uma luta pela transparência. Transparência no exercício dos cargos públicos e contra o financiamento dos partidos políticos”, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-PGR fiscaliza partidos e rendimentos dos políticos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião