O G8 do digital chama-se D9. E Portugal está no grupo

Grupo de países mais avançados em termos de Governo digital já conta com nove nomes. E, a partir deste ano, Portugal está na "equipa" de trabalho.

Maria Manuel Leitão Marques está em Israel para assinar acordo que garante presença de Portugal no D9.Paula Nunes / ECO

Portugal foi proposto pela Nova Zelândia e pela Estónia para integrar o D9, o grupo de países considerados referências na transformação digital adaptada à Administração Pública e dos mais avançados em termos de Governo digital. Assim, a partir desta quinta-feira, o país passa a integrar um grupo que conta já com nomes como o Reino Unido, Israel e Coreia do Sul.

Criado em 2014, em Londres, pelo Reino Unido, Estónia, Israel, Nova Zelândia e Coreia do Sul, o grupo de países chamou-se, nessa data, D5. Mais tarde, em 2017, com a entrada do Uruguai e do Canadá, cresceu para D7 e, este ano, alarga-se para D9 com a integração de dois novos Estados-membros: Portugal e Estónia passam também a fazer parte do grupo.

Além da recomendação, feita pela Nova Zelândia, Portugal teve de “provar” determinados objetivos relacionados com a transformação digital. “Um dos mais importantes objetivos deste grupo é não deixar ninguém para trás”, explica ao ECO a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques. “E temos exemplos como o serviço digital assistido, nos Espaços Cidadão, e a identificação eletrónica”, exemplifica.

Assim, Portugal passa a integrar grupos de trabalho que permitem, em conjunto com os restantes membros, desenvolver um conjunto de respostas a desafios que são, com o digital, “atualmente, muito exigentes e rápidos”, analisa a ministra da Presidência. O grupo tem, como missão, partilhar as melhores práticas, identificar potenciais melhorias nos serviços digitais dos países membros e a colaboração e parceria em projetos comuns que promovam o crescimento das respetivas economias digitais.

Na pasta de apresentações e mais-valias para o grupo, acredita a ministra, estão projetos desenvolvidos em dois dos três sub-grupos temáticos do D9: na identificação eletrónica, os casos do Cartão do Cidadão e da Chave Móvel Digital e, no grupo da Inteligência Artificial, a iniciativa Ciência dos Dados e Inteligência Artificial na Administração Pública, lançada há um ano pelo Governo, que está a desenvolver 19 projetos selecionados e financiados nesse domínio. Os resultados deste último grupo serão apresentados dentro de dois anos.

Os trabalhos vão ser desenvolvidos periodicamente e, em reuniões técnicas. Uma delas decorrerá em Portugal em julho de 2019, adiantou ao ECO a ministra.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O G8 do digital chama-se D9. E Portugal está no grupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião