Se olhar pelo telescópio, já vai ver mais de 30 estrelas Michelin em Portugal

São cada vez mais as cidades portuguesas que se destacam na gastronomia. Portugal tem quatro novas estrelas Michelin, duas das quais marcam novos pontos no mapa.

A estrela Michelin é um dos principais símbolos na gastronomia, que premeia a qualidade de um restaurante, e é uma distinção que faz a diferença para os chefs. Em Portugal, existem agora 26 estabelecimentos que mereceram o destaque da Michelin, seis dos quais têm duas estrelas, perfazendo um total de 32 estrelas.

Na última cerimónia do guia ibérico, Portugal recebeu quatro novas estrelas. Foi na passada quarta-feira que se apresentou o Guia Michelin Espanha e Portugal de 2019, e duas cidades conquistaram a sua primeira estrela, nomeadamente Guimarães, pelas mãos do restaurante A Cozinha, e Bragança, graças às iguarias do G Pousada. Já o restaurante Midori, no hotel Penha Longa, conseguiu a sua primeira estrela, que é a segunda para um estabelecimento localizado em Sintra.

Henrique Sá Pessoa e o seu Alma foram distinguidos com a segunda estrela Michelin, elevando o número de restaurantes com o duplo símbolo para seis. Este restaurante localiza-se em Lisboa, que é a cidade portuguesa que acolhe mais restaurantes ‘estrelados’, cinco no total. Mesmo assim, o número de cidades com a gastronomia em destaque tem vindo a aumentar.

Apesar das novidades ficarem aquém da chuva de estrelas esperada para a cerimónia deste ano, foi atribuído o dobro das estrelas do que no ano anterior, e nenhum dos restaurantes portugueses perdeu o seu encanto aos olhos dos inspetores. Conheça em baixo a lista completa de restaurantes portugueses galardoados com uma ou duas estrelas Michelin:

1 estrela

  • A Cozinha, Guimarães (chef António Loureiro)
  • G Pousada, Bragança (chef Óscar Geadas)
  • Midori, Sintra (chef Pedro Almeida)
  • Antiqvvm, Porto (chef Vítor Matos)
  • Bon Bon, Carvoeiro (chef Louis Anjos)
  • Casa de Chá da Boa Nova, Leça da Palmeira (chef Rui Paula)
  • Eleven, Lisboa (chef Joachim Koerper)
  • Feitoria, Lisboa (chef João Rodrigues)
  • Fortaleza do Guincho, Cascais
  • Gusto by Heinz Beck, Almancil (Chef Heinz Beck e Daniele Pirillo)
  • Henrique Leis, Almancil (chef Henrique Leis)
  • LAB by Sergi Arola, Sintra (chefs Sergi Arola e Milton Anes)
  • L’AND, Montemor-o-Novo (chef Miguel Laffan)
  • Largo do Paço, Amarante (chef Tiago Bonito)
  • Loco, Lisboa (chef Alexandre Silva)
  • Pedro Lemos, Porto (chef Pedro Lemos)
  • São Gabriel, Almancil (chef Leonel Pereira)
  • Vista, Portimão (chef João Oliveira)
  • William, Funchal (chefs Luís Pestana e Joachim Koerper)
  • Willie’s, Vilamoura (chef Willie Wurger)

2 estrelas

  • Alma, Lisboa (chef Henrique Sá Pessoa)
  • Belcanto, Lisboa (chef José Avillez)
  • Il Gallo d’Oro, Funchal (chef Benoît Sinthon)
  • Ocean, Alporchinhos (chef Hans Neuner)
  • The Yeatman, Vila Nova de Gaia (chef Ricardo Costa)
  • Vila Joya, Albufeira (chef Dieter Koschina)

Neste guia, a atribuição de uma estrela sinaliza uma cozinha de grande fineza, onde compensa parar, enquanto duas estrelas indicam uma cozinha excelente, que vale a pena o desvio. Já três estrelas, o máximo que um restaurante pode atingir, designa uma cozinha excecional, que vale uma viagem especial. Portugal ainda não tem nenhum restaurante com três estrelas.

Um dos pratos do menu do Loco, restaurante português que manteve a sua estrela Michelin

O primeiro Guia Michelin ibérico data de 1910, mas foi preciso esperar até 1926 para surgir a primeira distinção em Portugal. Estas estrelas estão mesmo ligadas à marca de pneus Michelin. Com o objetivo de promover o turismo automóvel, o fundador da empresa decidiu, em 1900, criar guias com roteiros dos melhores hotéis e restaurantes para os viajantes, que acabaram por se tornar referências a nível mundial.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Se olhar pelo telescópio, já vai ver mais de 30 estrelas Michelin em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião