Camiões com peças já chegaram à Autoeuropa. Fábrica já funciona normalmente

O turno da manhã arrancou sem problemas, depois do cancelamento do turno da noite, e não estão previstas novas paralisações já que os camiões com peças chegaram durante a noite.

Os camiões com peças, que tinham ficado bloqueados em França por causa dos protestos dos “Coletes Amarelos”, chegaram esta noite a Palmela e a fábrica da Autoeuropa já está a laborar com normalidade, confirmou o ECO junto de fonte oficial da empresa.

A Autoeuropa foi obrigada a suspender a produção do turno da noite, que tinha início às 00h00 desta sexta-feira, porque não tinha peças suficientes para garantir a normal laboração durante todo o dia. A opção foi cancelar esse turno para que os trabalhos pudessem arrancar às sete da manhã.

“Está tudo a funcionar normalmente”, garantiu ao ECO fonte oficial da Autoeuropa. Os camiões “chegaram durante a noite” e “arrancámos hoje o turno da manhã sem problemas”, garantiu a mesma fonte.

A greve dos “coletes amarelos” contra o aumento de impostos sobre os combustíveis, em França, está a condicionar o trânsito no país e a impedir o transporte de peças: milhares de camiões ficaram parados em território nacional e isso afetou, também, a fábrica da Autoeuropa em Palmela.

Este foi mais um contratempo que a fábrica teve de enfrentar, numa altura em que está a braços com a greve dos estivadores em Setúbal que está a atrasar o embarque de mais de duas mil viaturas. Os trabalhadores, em greve desde dia 5, exigem um contrato coletivo de trabalho. De acordo com a a Auroeuropa, o planeamento do navio faz parte das escalas regulares para o porto de Emden, na Alemanha, “teve por base a garantia de uma solução para o embarque de veículos dada pelo Governo e pelo operador logístico”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Camiões com peças já chegaram à Autoeuropa. Fábrica já funciona normalmente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião