Pina Martins: “Situação com a Toys “R” Us está a ser regularizada”

O CEO da Science4you explica que as duas empresas continuam a trabalhar em parceria. O prospeto da IPO da Science4you aponta para um dívida da Toys "R" Us, referente ao ano passado, de 770 mil euros.

A dívida de 770 mil euros da Toys “R” Us à Science4you — referida nas contas da startup do ano passado — está a ser regularizada, explicou o CEO Miguel Pina Martins, em declarações ao ECO. Após a falência da cadeia de brinquedos em vários países e aquisição do negócio em Portugal e Espanha por um grupo de investidores portugueses, as duas empresas mantém uma relação sólida.

“A situação com a Toys “R” Us está a ser regularizada. Atualmente, há dívidas do negócio corrente, com os prazos de pagamento normais”, afirmou Miguel Pina Martins. “Não é um problema. A Toys “R” Us já era um parceiro e tornou-se anda mais depois da aquisição”.

O prospeto da oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da Science4you aponta para uma dívida da Toys “R” Us de 769.980 euros. Perante este cheque em falta, a Science4you Espanha apresentou prejuízos de 566 mil euros em 2017, sendo que o capital próprio passou para -547 mil euros.

“Para este resultado negativo contribuiu principalmente a falência da Toys “R” Us, na medida em que a Science4you Espanha provisionou créditos no valor de cerca de 500 mil euros, baseado no princípio da prudência e tendo em conta as notícias da falência e fecho efetivo da insígnia noutras geografias”, refere o prospeto.

Miguel Pina Martins clarifica agora que “fazer provisões faz parte do negócio”. Acrescentou: “Quando colocámos uma provisão foi numa perspetiva de prudência. No final do ano passado, soubemos da falência e colocámos uma provisão para acautelar o futuro”.

A dívida — que não chegou a vencer por ter sido acordada com os anteriores acionistas a regularização através de pagamentos faseados — refere-se não só ao negócio de Espanha, mas a nível internacional. Esta diz respeito a mercadoria que estava na posse da Toys “R” Us na altura em que a empresa faliu nos EUA e Reino Unido. Desde então, a situação alterou-se.

Em Portugal e Espanha, a marca manteve-se viva depois de, em agosto do ano passado, ter sido comprada pela empresa portuguesa Green Swan. Paulo Sousa Marques, CEO da Toys “R” Us Iberia, garantiu que a empresa “não tem, nem nunca teve, nenhuma dívida vencida com qualquer dos seus fornecedores e de com a operação de aquisição ter garantido a manutenção de uma operação e de mais de 1.300 postos de trabalho”.

Em comunicado, a Toys “R” Us Iberia defendeu ainda que é um projeto “sólido”, “não tendo quaisquer dividas a fornecedores, parceiros ou colaboradores e que conta com um património líquido de 112 milhões de euros, segundo o balanço certificado após aquisição, por parte do grupo de investimento Green Swan. Desmente por isso qualquer dívida, hoje ou anterior, à Science4you”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pina Martins: “Situação com a Toys “R” Us está a ser regularizada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião