Alibaba quer ajudar marcas portuguesas a chegar ao mercado chinês

  • ECO
  • 29 Novembro 2018

Os produtos nos quais Portugal se destaca são azeite, vinho, têxteis/lar, alimentos e café, aponta o diretor-geral da Alibaba para a Europa do Sul, Rodrigo Cipriani Foresio.

O Alibaba, grupo fundado por Jack Ma, quer ajudar empresas portuguesas a chegar a mais clientes, funcionando como porta de entrada no mercado chinês.

“Queremos apresentar como o nosso sistema funciona e como podemos apoiar da melhor forma as marcas portuguesas a chegar aos 600 milhões de consumidores chineses“, indica Rodrigo Cipriani Foresio, diretor-geral para a Europa do Sul, em entrevista ao Jornal de Negócios (acesso condicionado).

Para Rodrigo Cipriani Foresio, os pontos fortes de Portugal que podem apelar aos consumidores chineses do site, tipicamente jovens e em busca de produtos ‘trendy‘, são azeite, vinho, têxteis/lar, alimentos e café.

Existem cerca de dez “flagship stores” portuguesas na plataforma do Alibaba, como a Delta e a Parfois, e está já delineada uma parceria com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

“O nosso principal objetivo é apoiar os pequenos e médios negócios a integrarem a nossa plataforma”, acrescenta Rodrigo Cipriani Foresio. O empresário está presente em Portugal para a conferência Alibaba, que ocorre nesta quinta-feira.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alibaba quer ajudar marcas portuguesas a chegar ao mercado chinês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião