“Um dia, a Amazon vai à falência”, diz Jeff Bezos

O CEO da Amazon admite que a empresa não é demasiado grande para falhar. Segundo o empresário, a chave para o sucesso será a preocupação com os clientes.

A expressão “too big to fail” (demasiado grande para falhar, em português) é já conhecida dos empresários, e refere-se a entidades que ganham uma dimensão tal que a sua queda iria afetar gravemente a economia. Essa situação deve, por isso, ser evitada a todo o custo. O patrão da Amazon, Jeff Bezos, terá admitido que a sua empresa não se inclui nesta categoria, e que um dia irá ver o seu fim.

Prevejo que, um dia, a Amazon vai falhar. A Amazon vai à falência”, disse o CEO da plataforma de compras online. As declarações de Jeff Bezos terão sido proferidas numa reunião interna, segundo avança a CNBC (acesso livre/conteúdo em inglês), que teve acesso a uma gravação.

Segundo o empresário, a chave para o sucesso será a preocupação com os clientes. “Se o nosso foco ficar virado para nós próprios em vez dos clientes, vai ser o princípio do fim…”, disse Jeff Bezos. “Temos de tentar atrasar esse dia o máximo possível”, adiantou. O empresário indica ainda que o “tempo de vida” das grandes empresas costuma rondar os 30 anos, e não os 100 anos.

A Amazon foi a segunda empresa em Wall Street a ultrapassar o valor de mercado de um bilião de dólares, ou seja, 1.000.000.000.000 dólares, a seguir à Apple. A expansão tem sido rápida, e vai começar agora a construção de uma segunda sede, apelidada de HQ2, em duas cidades norte-americanas.

Quando uma empresa ganha uma dimensão maior está exposta a mais escrutínio e regulação, nomeadamente das autoridades que monitorizam a concorrência. Estes fatores são vistos por alguns trabalhadores da Amazon como preocupações para o futuro da empresa. O levantar destas questões foi o que motivou as declarações de Bezos, que garante que vê com normalidade o escrutínio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Um dia, a Amazon vai à falência”, diz Jeff Bezos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião