Amazon escolhe Nova Iorque e Virgínia para novas sedes

As cidades escolhidas pela Amazon para a sua segunda sede localizam-se em Nova Iorque e no norte da Virgínia, onde será distribuído o investimento de 5 mil milhões de dólares, e 50 mil trabalhadores.

É oficial: as cidades escolhidas pela Amazon para a sua segunda sede são Long Island City, no bairro de Queens em Nova Iorque, e a zona de Crystal City em Arlington, os subúrbios de Washington DC na Virgínia.

Depois de anunciar que tinha cinco mil milhões de dólares para investir numa nova sede, apelidada de ‘HQ2’, criou-se uma espécie de concurso entre cidades norte-americanas para serem as escolhidas pela Amazon. Acabaram por ser duas as vencedoras, pelas quais se vai dividir o investimento e os trabalhadores, mais de 50 mil no total, anuncia a empresa em comunicado.

A empresa vai receber algumas recompensas pela criação de emprego nas áreas. Incentivos no valor de 1,5 mil milhões de dólares de Long Island, e de 573 milhões de dólares de Arlington serão atribuídos à Amazon, se os postos de trabalho prometidos forem criados.

“Estes dois locais permitem-nos atrair talentos de nível mundial, que nos vão ajudar a continuar a inovar para os clientes nos próximos anos”, explica Jeff Bezos, fundador e CEO da Amazon. “Esperamos vir a ter um papel ainda maior nestas comunidades”, acrescenta. A contratação de trabalhadores para estas localizações vai começar no próximo ano.

O objetivo desta divisão é garantir a disponibilidade de mão-de-obra especializada suficiente, e reduzir alguns dos possíveis problemas de juntar milhares de trabalhadores numa localidade, como dificuldades em conseguir habitação ou transportes.

A empresa vai também construir um novo centro de operações de excelência em Nashville, que vai criar mais de cinco mil empregos. Aqui serão desenvolvidas as operações relacionadas principalmente com atendimento ao cliente e com a cadeia de distribuição.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Amazon escolhe Nova Iorque e Virgínia para novas sedes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião