Petróleo atinge novo mínimo. Já está abaixo dos 50 dólares

O excesso de oferta no mercado petrolífero mundial continua a arrastar as cotações do "ouro negro". O barril de crude está a negociar abaixo dos 50 dólares, o que não acontecia há mais de um ano.

O excesso de oferta no mercado petrolífero mundial continua a arrastar as cotações do “ouro negro”. O preço do barril da matéria-prima cai mais de 1% nos dois lados do Atlântico. No caso do crude foi quebrada, esta quinta-feira, a barreira psicológica dos 50 dólares por barril, o que não acontecia há mais de um ano.

O barril de brent, matéria-prima que serve de referência para as importações portuguesas, está a desvalorizar 1,84%, para os 57,68 dólares, recuando abaixo dos 58 dólares pela primeira vez desde 25 de outubro do ano passado. Mais marcante é o rumo das cotações do barril de crude norte-americano que na sessão desta quinta-feira cai abaixo da importante referência dos 50 dólares pela primeira vez desde 10 de outubro do ano passado. Está a negociar nos 49,57 dólares, 1,43% abaixo da última sessão.

O que se passa na sessão desta quinta-feira dá seguimento ao ciclo de perdas que o “ouro negro” tem vindo a registar, numa altura e que o mercado petrolífero apresenta um excesso de oferta face à procura. No caso do preço do barril de brent a queda dos preços já ultrapassa 30% desde o máximo de quatro anos estabelecido no início de outubro, tendo ultrapassado nessa ocasião os 86 dólares.

Crude já negoceia abaixo dos 50 dólares

Fonte: Reuters

Ainda há cerda de duas semanas, a Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) estimou que a procura do seu petróleo vai cair em 1,1 milhões de barris por dia em 2019, uma redução semelhante ao corte que foi proposto pela Arábia Saudita para subir os preços da matéria-prima.

A desvalorização das cotações do petróleo acontece ainda uma semana antes de os membros do cartel petrolífero se reunirem para discutir cortes de produção. Mas também depois de os na quarta-feira ter sido anunciado nos EUA um aumento das reservas de crude pela décima semana consecutiva.

(Notícia atualizada às 9:58 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo atinge novo mínimo. Já está abaixo dos 50 dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião