Portugal paga totalidade da dívida ao FMI este ano. Costa diz que é um “virar de página”

País vai concluir o pagamento dos 26,3 mil milhões de euros da dívida ao FMI até ao final deste ano, anunciou o primeiro-ministro.

Portugal vai pagar a totalidade da dívida remanescente ao Fundo Monetário Internacional (FMI) até ao final deste ano. O anúncio foi feito, esta quinta-feira, pelo primeiro-ministro, António Costa, no encerramento do debate do Orçamento do Estado para 2019, na Assembleia da República.

“Sabemos que há muito caminho pela frente. E estamos cá para o continuar. Com a mesma determinação com que temos governado e que me permite hoje anunciar que, até ao final do corrente ano de 2018, pagaremos a totalidade da dívida ao FMI, com todo o significado que comporta mais este virar de página” afirmou o primeiro-ministro.

Do bolo de 78 mil milhões de euros concedidos pela troika no âmbito do resgate financeiro a Portugal, 26,3 mil milhões foram emprestados pelo FMI. Com base nos dados do IGCP, no final de outubro faltava liquidar 4,7 mil milhões de euros, o equivalente a 17% do total. Nesta legislatura, a estratégia das Finanças tem sido de amortizar antecipadamente este montante, tendo em conta o custo elevado que esta dívida comportava. O juro chegou a ser de mais de 4%.

Hoje, Portugal paga uma taxa de juro de referência de cerca de 1,7% pelo empréstimo do FMI. A esta taxa soma-se um spread (prémio de risco) de 100 pontos base, que é agravado dado o elevado montante da dívida face à quota do país no fundo. Assim, o custo desta dívida — que foi baixando com a política de reembolsos — situa-se próximo de 3%. Nos mercados, o país tem-se financiado com um juro abaixo de 2% ao longo de todo o ano.

Este ano, Portugal já pagou 831 milhões de euros ao FMI, que se seguem aos 10 mil milhões de dívida recomprada pelo Tesouro em 2017. Já no início deste mês, o IGCP levantou 1.250 milhões de euros num leilão de Obrigações do Tesouro, com o objetivo de voltar a reembolsar antecipadamente o FMI. No entanto, até agora, o IGCP previa pagar apenas dois mil milhões de euros até ao final do ano, o que significa que, para pagar a totalidade da dívida remanescente, terá de ser feito novo pagamento antecipado.

Portugal vai livrar-se do empréstimo ao FMI cinco anos mais cedo do que a atual previsão (já revista em baixa, tendo em conta os reembolsos antecipados realizados desde 2015).

(Notícia atualizada pela última vez às 13h15 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga totalidade da dívida ao FMI este ano. Costa diz que é um “virar de página”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião