Bruxelas apresentou novo rascunho do orçamento da UE para 2019

  • Lusa
  • 30 Novembro 2018

Neste novo rascunho, os compromissos (valor máximo de pagamentos futuros a que a UE se pode comprometer) ascendem aos 165 mil milhões de euros, enquanto os pagamentos se situam nos 148 mil milhões.

A Comissão Europeia apresentou esta sexta-feira uma nova proposta de orçamento comunitário para 2019, depois de, na semana passada, as negociações entre o Conselho e o Parlamento Europeu (PE) sobre a proposta inicial terem terminado sem acordo.

Neste novo rascunho, os compromissos (valor máximo de pagamentos futuros a que a União Europeia se pode comprometer) ascendem aos 165 mil milhões de euros, enquanto os pagamentos se situam nos 148 mil milhões, uma alteração que, de acordo com o executivo comunitário, reflete “as negociações que decorreram entre o Conselho e o PE durante o período de conciliação”.

“Com esta nova proposta, a Comissão procura uma ponte entre as posições do PE e do Conselho, de modo a que a União Europeia seja capaz de continuar a investir no crescimento interno e no emprego, na investigação e inovação, nos estudantes e nos jovens, as prioridades da Comissão Juncker, também em 2019”, pode ler-se em comunicado do executivo comunitário.

Na nota, o comissário europeu Günther Oettinger, responsável pela pasta do Orçamento, defende que é “do interesse de todos os europeus que as instituições europeias alcancem rapidamente um acordo sobre o orçamento para 2019. Em 19 de novembro de 2018, o Conselho e o Parlamento Europeu (PE) terminaram as negociações sobre o orçamento da União Europeia (UE) para 2019 sem terem chegado a acordo.

Os dois ramos da autoridade orçamental chegaram à conclusão de que não estavam em condições de superar as suas divergências até à meia-noite – o prazo legal fixado nos Tratados. “O Conselho lamenta que não tenha sido possível chegar hoje a acordo sobre o orçamento da UE para 2019”, afirmou na altura Hartwig Löger, ministro federal das Finanças da Áustria e principal negociador do Conselho da UE para o orçamento comunitário para 2019.

“Ao longo do processo de conciliação, o Conselho esforçou-se muito por encontrar uma solução que dotasse a União de meios para enfrentar os desafios que se avizinham. Mas continuo confiante de que chegaremos a acordo sobre o orçamento do próximo ano antes do final deste ano”, disse então. Embora o Conselho tenha apresentado uma proposta que iria além da proposta inicial da Comissão, o Parlamento preferia usar fundos não utilizados de anos anteriores relacionados com projetos de investigação. O Conselho, no entanto, receava que tal criasse um precedente com consequências desconhecidas no futuro.

O Parlamento também defendia uma menor contribuição do orçamento da UE (estavam previstos dois mil milhões de euros) para o financiamento do Mecanismo em Favor dos Refugiados na Turquia. A Comissão, através do seu comissário do Orçamento, apresentou hoje um novo projeto, que será novamente analisado em trílogo na terça-feira. Se, no início do próximo ano, o orçamento da UE ainda não tiver sido definitivamente aprovado, aplica-se o sistema de duodécimos provisórios, o que significa que se poderá gastar por mês um máximo de um duodécimo das dotações inscritas no orçamento do exercício anterior.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas apresentou novo rascunho do orçamento da UE para 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião