Um SUV pode ser desportivo? O X4 é a prova

SUV, SUV e mais SUV. Há para todos os gostos, até para aqueles que não dispensam as emoções fortes. E a BMW sabe fazê-los. Acertou na primeira versão, mas aprimorou o caráter desportivo com o novo X4.

A BMW tem cada vez mais X. Ao mesmo tempo que revela o X7 (e em que se começa a desenhar o X8), a marca da Baviera vai aumentando a oferta, com o X2, mas também renovando os restantes SUV. Há um X1, um X3 e X5 de “cara lavada”, mas começou agora a atualização dos mais desportivos dos X. E começa bem. O X4 está ainda mais coupé, mas também mais musculado. Está feito um “monstrinho” cheio de vontade de devorar asfalto.

Saltam à vista as diferenças entre a primeira e esta segunda geração. O look agressivo da dianteira ganhou ainda mais expressão com os rasgos mais proeminentes no para-choques, mas também nos “rins” de maiores dimensões ladeados por um par de óticas que segue a assinatura dos restantes modelos da BMW. O novo X4 tem uma expressão mais intimidadora que ganha força com os “músculos” que ganhou. Foi, claramente, ao ginásio.

Está mais encorpado. E isso é verdade de todos os ângulos. Apesar de a linha descendente para a traseira ter subido, sendo menos fluida que na anterior geração, todo o novo desenho da bagageira fez do X4 mais coupé. Os grupos óticos mais esguios, com a chapa de matrícula a afundar-se na traseira, traduzem-se num desenho mais limpo, tornando o SUV claramente mais apelativo do que o seu antecessor.

Mais espaço, muita qualidade

Todo o esforço em termos de design não veio a custo da habitabilidade. Pelo contrário. O X4 está maior do que o mesmo modelo da anterior geração — o comprimento aumentou 7,62 cm, a largura em 3,81 cm e a distância entre eixos cresceu 5,08 cm –, permitindo acomodar perfeitamente cinco ocupantes mais a muita bagagem que queiram levar.

A bagageira do X4 tem 525 litros, mas chega aos 1.430 litros com o rebatimento dos bancos traseiros, o que não é muito menos do que se consegue encontrar num X3, um SUV bem mais tradicional. No interior, desde os bancos ao volante, até à consola central, é tudo igual ao X3. Ou seja, há muita qualidade, seja na pele que envolve os bancos e o volante, seja nos plásticos a bordo. E mesmo o sistema de infotainment — rápido e intuitivo — que se eleva no centro do tablier, não destoa.

Mas este look mais desportivo traz uma etiqueta um pouco maior. O preço começa nos 61 mil euros, mas rapidamente a fatura do coupé ganha velocidade com o sistema de navegação ou mesmo o teto panorâmico, sendo que é com o pack desportivo M que facilmente se chega à meta dos 70 ou 80 mil euros. É um cheque chorudo, mas compensado com emoções fortes quando se senta ao volante.

Muita alma. Até se esquece que é um SUV

Para o X4 estão disponíveis três propostas a gasolina e quatro a gasóleo, que vão desde os 2.0 até aos 3.0 que equipam o M40i e M40d. Mas se os 2.0 a gasolina (com potências de 184 até 252 cv) de entrada de gama pouca expressão deverão ter no mercado nacional, o mesmo não acontecerá com o equivalente a diesel, que começa nos 190 e chega aos 231 cv. O de 190 chega? E sobra.

Acoplado a uma caixa automática Steptronic de oito velocidades, o diesel de entrada responde de forma vigorosa a todos os pedidos do pé direito. É civilizado quanto baste para uma utilização no dia-a-dia, mas também sabe “esticar as pernas”. Por vezes nem parece que estamos ao volante de um SUV com mais de 1.800 quilos. É rápido a arrancar, mas dá especial gozo ver o X4 a ganhar fôlego quando se pressiona o acelerador mais a sério — mas custa muitos euros nos consumos.

Ainda que seja o vermelho que a marca elege para apresentar o novo X4, é “equipado” com o azul que tradicionalmente pinta os desportivos da marca que o SUV passa ainda menos despercebido nas estradas. E ver toda aquela massa passar na faixa da esquerda com tal leveza impressiona muitos do que partilham o asfalto com o novo SUV da marca da Baviera.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um SUV pode ser desportivo? O X4 é a prova

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião