Hasta pública dos terrenos da Feira Popular, em Lisboa, voltou a ser adiada para 12 de dezembro

  • Lusa e ECO
  • 3 Dezembro 2018

Este novo adiamento serve para os candidatos terem “mais tempo para analisar o processo e a resposta da CML às críticas do MP”, explica a câmara. A hasta pública foi reagendada para 12 de dezembro.

A terceira tentativa de venda dos terrenos da antiga Feira Popular de Lisboa, em Entrecampos, não se realizou, tendo ficado a hasta pública reagendada para dia 12 de dezembro, confirmou à Lusa a Câmara Municipal.

De acordo com fonte oficial do município, a hasta pública de duas parcelas e dois lotes de terreno que fazem parte da chamada Operação Integrada de Entrecampos foi “adiada para dia 12”, mas os “três concorrentes mantêm-se”.

As propostas recebidas pela Câmara de Lisboa para aquisição destes terrenos foram apresentadas pelas empresas Fidelidade Property Europe, SA., Dragon Method, SA., e MPEP – Properties Escritórios Portugal, SA..

A hasta esteve inicialmente marcada para o dia 12 de novembro, mas foi adiada por duas semanas, depois de a Câmara ter recebido, no dia 7, um ofício do Ministério Público (MP), que levantava questões relativamente ao projeto de requalificação da zona.

Já no dia 9 de novembro, a Câmara de Lisboa respondeu às questões colocadas pela procuradora Elisabete Matos, considerando que tinham ficado esclarecidas “quaisquer dúvidas” relativamente à legalidade do projeto.

Porém, no dia 22 de novembro, o MP aconselhou a Câmara de Lisboa, num novo conjunto de questões enviadas, a “reponderar” o projeto de requalificação, “com vista a acautelar possíveis ilegalidades”, indicou então à Lusa a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Por isso, a hasta foi aberta no dia 23, mas acabou por ser interrompida para os candidatos poderem analisar as questões colocadas pelo MP, tendo ficado previsto que retomasse esta segunda-feira.

Na altura, foi indicado que não seria possível apresentar novas propostas, mas que aquelas entregues até então permaneceriam “invioladas” e guardadas “dentro dos cofres da tesouraria do município de Lisboa”.

Segundo indicou esta segunda-feira fonte da Câmara Municipal de Lisboa (CML), este novo adiamento serve para os candidatos terem ainda “mais tempo para analisar o processo e a resposta da CML às críticas do MP”.

A CML já tinha tentado vender estes terrenos em 2015, mas tal acabou por não acontecer por falta de propostas de interessados, mesmo depois de várias tentativas.

Na reunião da Assembleia Municipal, marcada para esta terça-feira, dia 4, a hasta pública para estes terrenos é um dos temas inscritos na agenda.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hasta pública dos terrenos da Feira Popular, em Lisboa, voltou a ser adiada para 12 de dezembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião