Casas, escritórios e um jardim. Vai ser assim a nova Feira Popular

  • ECO
  • 17 Maio 2018

Os terrenos onde antes funcionou a Feira Popular vão ganhar uma nova vida. Os carrosséis, a montanha-russa e o algodão doce dão agora lugar a casas, escritórios e a um jardim.

A Feira Popular vai ganhar um novo rosto. Onde antes existiam carrosséis, uma montanha-russa e algodão doce serão agora construídos prédios para habitação, escritórios e ainda um jardim. Este projeto, considerado por Fernando Medina como “uma das maiores operações urbanísticas que Lisboa conheceu nas últimas décadas” desde a Expo 98, vai custar perto de 800 milhões de euros.

A “Operação Integrada de Entrecampos” vai decorrer nos antigos terrenos da Feira Popular. Mas a área de intervenção abarca também dois terrenos confinantes com a Avenida Álvaro Pais e vários espaços junto à Avenida das Forças Armadas. Ao todo, são 25 hectares, em zonas próximas, dos quais 2,5 são espaços verdes.

O projeto prevê a construção de 979 fogos, na sua maioria para novas habitações. Destes, 700 destinam-se a fogos de renda acessível. Já o megacentro de escritórios deve permitir a criação de 15 mil empregos.

Veja a fotogaleria

Afinal, o que vai acontecer nos terrenos da antiga Feira Popular?

  • Prevê-se a construção de 279 fogos em regime de venda livre;
  • 700 fogos de habitação a renda acessível;
  • Espaço destinado a escritórios, que poderá criar cerca de 15 mil novos empregos;
  • Cerca de um terço dos terrenos será transformado num jardim, criando uma continuidade face ao jardim do Campo Grande.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casas, escritórios e um jardim. Vai ser assim a nova Feira Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião