Centeno pede medidas adicionais a Portugal para cumprir as regras do euro

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, pede ao ministro das Finanças português, Mário Centeno, medidas adicionais para cumprir o Pacto de Estabilidade.

“O Eurogrupo convida todos os Estado membros a ponderar, de forma atempada, as medidas adicionais necessárias para lidar com os riscos identificados pela Comissão e para garantir que os seus Orçamentos cumprem com as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento”. A frase consta do comunicado que o Eurogrupo emitiu na avaliação dos Orçamentos dos vários países membros. Portugal está entre os ‘alunos’ a quem é dado o recado.

O Eurogrupo sublinha que, de acordo com a avaliação da Comissão, há cinco países em risco de não cumprirem o Pacto de Estabilidade e Crescimento em 2019: Portugal, Bélgica, França e Eslovénia, de acordo com o braço preventivo do Pacto, e Espanha, “avaliada no pressuposto de uma correção atempada e duradoura do défice excessivo”, diz o comunicado do Eurogrupo.

Bélgica, França, Portugal e Espanha também são apontados porque não vão cumprir com a meta de redução da dívida em 2019. A Comissão já tinha sugerido que Portugal usasse os “ganhos extraordinários” com o Banco de Portugal e a Caixa Geral de Depósitos para reduzir a dívida pública. O executivo comunitário lamentou que “ganhos extraordinários resultantes de despesas mais baixas com juros e de dividendos que se esperam mais elevados do BdP e da CGD não parecem estar a ser usados para acelerar a redução do rácio da dívida pública no PIB”.

Esses ganhos, apontava a Comissão, parecem antes estar a ser utilizados “para compensar reduções nas receitas fiscais e aumentos da despesa primária”, razão pela qual o Governo é “convidado” a aplicá-los na redução da dívida pública, cujas metas Bruxelas duvida que Portugal alcance.

No seu parecer sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019, Bruxelas dizia que o Orçamento de Portugal acarretava um “risco de incumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento” e alertava para os “desvios significativos” na trajetória de ajustamento. Na carta que Bruxelas enviou a Portugal a 19 de outubro já eram elencados os vários riscos que as contas do Executivo português apresentam: o crescimento nominal da despesa líquida primária é de 3,4% no Orçamento do Estado, “o que excede o crescimento máximo recomendado de 0,7%” e o ajustamento estrutural do saldo orçamental previsto no Orçamento é de 0,3%, que, depois de recalculado de acordo com a metodologia comummente acordada, baixa para 0,2%. “Este esforço está abaixo dos 0,6% do PIB requeridos pelas recomendações do Conselho de 13 de julho de 2018″.

Mário Centeno na conferência de imprensa desta segunda-feira onde foram pedidas medidas adicionais para os países incumpridores. EPA/STEPHANIE LECOCQ

O Eurogrupo sublinha o facto de a zona euro estar a entrar no seu sexto ano consecutivo de crescimento, mas “o crescimento já atingiu o pico e os riscos de abrandamento aumentaram”, alerta o comunicado final do encontro que se arrastou pela noite dentro para concluir um acordo sobre a reforma da zona euro. “As atuais condições económicas apelam à necessidade urgente de reconstruir as almofadas orçamentais, nomeadamente em Estados membros que não cumprem os objetivos de médio prazo“, defende o Eurogrupo, que sublinha o facto de o ritmo lento de redução da dívida em muitos países “continua a ser uma preocupação e deve ser resolvida em definitivo”. Assim a adotar de uma política orçamental expansionista ou o ajustamento orçamental limitado em alguns Estados membros, em 2019, “é preocupante”, conclui o Eurogrupo que apela aos países para agirem nesse sentido.

(Notícia atualizada)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno pede medidas adicionais a Portugal para cumprir as regras do euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião