Tecnologia cresce cinco vezes mais rápido em Portugal do que na Europa

Atomico calcula que investimento em tecnologia em 2018 terá ultrapassado os 400 milhões de dólares em Portugal. Ronda de financiamento da Outsystems foi uma das mais marcantes do ano.

O crescimento do investimento na tecnologia portuguesa em 2018 fez com que o setor tech tenha crescido cinco vez mais em território nacional do que no resto das economias europeias. O cálculo é da Atomico no seu mais recente relatório, “O Estado da tecnologia europeia”, divulgado esta terça-feira. A capital de risco estima que, durante este ano, o crescimento da tecnologia portuguesa tenha motivado o investimento de mais de 400 milhões de dólares (contra 15 milhões em 2017), sublinhando que desses, 360 milhões foram para a Outsystems, um dos três unicórnios fundados por portugueses.

De acordo com os resultados do documento, o setor tecnológico em Portugal está a impulsionar a criação de emprego: no nosso país, a força de trabalho cresceu 6,4%, número que compara com a média europeia de 1,1%. Neste indicador, Portugal só fica atrás de França, que disparou 7,3%.

O relatório State of Tech da Atomico é feito em parceria com a Slush e a Orrick refere ainda que, este ano, o investimento total na economia europeia atingiu os 23 mil milhões de dólares, um crescimento exponencial face aos cinco mil milhões de 2013. Só no ano de 2018, 17 empresas europeias atingiram valorizações de milhares de milhões de dólares, e três das dez entradas em bolsa apoiadas por capital de risco são provenientes da Europa.

Unicórnios e IPO

2018 foi cheio de novidades em matéria de tecnologia: além da Outsystems, também a Talkdesk, fundada pelos portugueses Tiago Paiva e Cristina Fonseca, atingiu uma valorização de mil milhões de dólares e, por isso, o estatuto de unicórnio. O ano ficou ainda marcado pela entrada em bolsa da Farfetch, fundada pelo português José Neves, na bolsa de Nova Iorque, e também por duas novidades na bolsa de Lisboa: Raize e Science4you abriram o capital a novos investidores.

O investimento massivo na Outsystems sugere que o potencial de Portugal está a ser concretizado“, assegura Tom Wehmeier, sócio e diretor de Pesquisa da Atomico. “Os portugueses estão a mobilizar talentos e a criar um ecossistema poderoso — sustentado pela taxa de crescimento mais rápida da Europa em termos de programadores profissionais. Tal como outros países da Europa, a tecnologia portuguesa continua a expandir-se para lá da capital. O crescimento da comunidade tecnológica do Porto é um forte sinal da crescente maturidade de Portugal”, adianta.

O sucesso de empresas deste tipo fez também aumentar a comunidade portuguesa de programadores, que está a crescer mais rapidamente do que na Europa ocidental, refere o comunicado: enquanto na Europa, o número de programadores cresceu 4,2%, em Portugal este valor disparou 16,2%.

A Europa está a colher os lucros iniciais da transformação do seu ecossistema tecnológico.

Tom Wehmeier

Partner da Atomico

Tendências em análise

Além da análise ao ano no setor tecnológico, o relatório da Atomico faz também referência às grandes tendências detetadas pelos participantes, no setor tecnológico em Portugal. Entre elas, o facto de a tecnologia portuguesa não se localizar apenas em Lisboa: o Porto é, de acordo com as conclusões do documento, o terceiro centro europeu em matéria de crescimento — 72% em 2018 –, de entre os membros ativos do Meetup. Portugal é, como um todo, o sexto país que mais cresce na Europa (51%) considerando o aumento do número de membros ativos em grupos relacionados com tecnologia.

Outro dado é ainda a desigualdade de género em matéria de financiamento: de todos os fundos angariados pelas empresas europeias em capital de risco em 2018, 93% foram para equipas de fundadores inteiramente masculinas.

Tom Wehmeier, sócio e diretor de Pesquisa da Atomico.D.R.

“Este relatório pode parecer um pouco repetitivo, dada a tónica na quebra de recordes, mas os fatos falam por si. Atualmente, os fundadores europeus têm acesso a investidores sofisticados, podem contratar os melhores talentos, ir mais longe, evitar a concorrência feroz, abrir o seu capital e vingarem na cena global. A Europa está a colher os lucros iniciais da transformação do seu ecossistema tecnológico. Na verdade as sementes do sucesso deste ano foram lançadas há uma década. Daí que seja de esperar um sucesso ainda maior nos próximos anos”, refere o autor do relatório.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnologia cresce cinco vezes mais rápido em Portugal do que na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião