Liberalização da ferrovia avança. CP terá concessão de serviço público durante 15 anos

O mercado é liberalizado, mas é a CP continuará a prestar o serviço público. Para que um novo operador possa entrar na rede ferroviária nacional, terá de ser assegurado o "equilíbrio económico" da CP.

O Governo aprovou, esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, um decreto-lei para transpor a diretiva da União Europeia que vem liberalizar o mercado do transporte ferroviário de passageiros. As novas regras agora aprovadas serão aplicáveis a todos os operadores que entrem no mercado nacional e implicam a assinatura de um contrato de concessão do serviço público com a CP – Comboios de Portugal, que deverá ser assinado até ao final deste ano e que irá vigorar pelos próximos 15 anos.

“São introduzidos no ordenamento jurídico português os requisitos do chamado quarto pacote ferroviário, que garantem uma maior independência do gestor da infraestrutura no que respeita às funções essenciais, assegurando um acesso equitativo pelas empresas de transporte de passageiros e reforçando uma maior coordenação entre ambos”, pode ler-se na nota emitida pelo Conselho de Ministros.

O novo regime do setor ferroviário vem, assim, “conjugar a liberalização, nomeadamente na prestação do serviço, com uma concorrência regulada”, explicou Pedro Marques, ministro do Planeamento e Infraestruturas, que apresentou as alterações. Isto porque, detalhou, “o papel do regulador será reforçado”.

Na prática, é a CP quem vai continuar a assegurar os serviços de interesse público e, para que um novo operador possa entrar na rede ferroviária nacional, o regulador terá de aplicar o chamado “teste de equilíbrio económico”, ou seja, verificar se, com a entrada de um novo operador, a CP, que é o operador interno, mantém o equilíbrio económico. “Só nesse caso é que o novo operador poderá ser aprovado. A CP é e continuará a ser o nosso operador interno”, garantiu Pedro Marques.

O objetivo do Governo é assinar o contrato com a CP até ao final deste ano. As negociações estão a ser “ultimadas”, mas falta ainda definir o montante das indemnizações compensatórias a que a empresa terá direito pela prestação de serviços públicos que não são lucrativos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Liberalização da ferrovia avança. CP terá concessão de serviço público durante 15 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião