Têxtil soma e segue. Em 2017 investiu 365 milhões de euros

A indústria têxtil tem motivos para sorrir. Ao bom comportamento das exportações que, em 2017, registaram um valor recorde, há que juntar o maior investimento feito desde, pelo menos, 2009.

O setor têxtil continua na senda dos bons números. E 2017 parece ter sido um ano particularmente importante para a indústria. Depois de ter registado um recorde absoluto ao nível das exportações ao atingir os 5.237 milhões de euros, o setor fechou o ano com o maior volume de investimento registado desde, pelo menos, 2009, atingindo os 365 milhões de euros.

Paulo Vaz, diretor geral da ATP, em declarações ao ECO salienta a importância deste indicador. “Este número é verdadeiramente motivador e demonstrativo da capacidade do setor. Estamos a falar de um investimento em formação bruta de capital fixo de 365 milhões de euros, num ano, e sobretudo num setor que tem vindo, ano após ano, a expandir-se”.

Este número é verdadeiramente motivador e demonstrativo da capacidade do setor. Estamos a falar de um investimento em formação bruta de capital fixo de 365 milhões de euros, num ano, e sobretudo num setor que tem vindo, ano após ano, a expandir-se

Para Paulo Vaz “este indicador, que está agora a ser apurado pela ATP, é ainda um excelente drive para o futuro porque demonstra a vitalidade da indústria”.

O setor, que viveu um ano recorde a nível de exportações em 2017, regista um crescimento de 2,1% de janeiro a setembro de 2018, para um total de 3.996 milhões de euros. O vestuário continua a ser a categoria com maior peso, atingindo os 2389 milhões de euros, no mesmo período, enquanto que o têxtil (excluindo o têxtil lar) cifra-se nos 1.063 milhões de euros, e os têxteis-lar alcançaram os 544 milhões de euros.

Nos principais destinos, a tendência mantêm-se inalterada, com Espanha a absorver a “fatia de leão” dos produtos portugueses (32%), seguida da França com 12%, e da Alemanha, com 9%.

Porém, quando se trata dos maiores crescimentos em valor absoluto, o destaque vai para Itália que, nos primeiros nove meses do ano, registou um acréscimo de 61,5 milhões de euros, seguida da Holanda com 21 milhões de euros e China com 19,3 milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Têxtil soma e segue. Em 2017 investiu 365 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião