Saúde mental, poder no feminino e Fortnite. O ano em revista no “Youtube Rewind”

O caráter global da plataforma é destacado neste "rewind", onde se podem ouvir mais de cinco línguas, entre elas o português e o espanhol. 

Chegou a altura em que o Youtube põe o ano em revista, procurando juntar num só vídeo todas as tendências de 2018. No vídeo participam as caras familiares dos utilizadores, como os youtubers Marques Brownlee e Liza Koshi, e são abordados temas como a saúde mental e o poder no feminino.

Apesar de ser uma plataforma de uma empresa norte-americana, pessoas de todo o mundo contribuem e veem conteúdo. Neste “rewindpodem ouvir-se mais de cinco línguas, entre elas o português e o espanhol. Mesmo com o objetivo de agradar a audiência, o vídeo recebeu mais “dislikes” do que “likes” até agora, e os comentários não são muito positivos.

O vídeo arranca com o ator Will Smith, que foi uma das maiores celebridades a juntar-se à plataforma neste ano. O salto de ‘bungee jumping’ para a celebração do 50º aniversário que partilhou foi uma das referências da retrospetiva. O tema deste ano foi a tomada de controlo dos youtubers.

Os criadores de conteúdo quiseram ter em conta a opinião dos utilizadores, então decidiram ler os comentários. O futebol, as danças do jogo Fortnite, e o ASMR (uma resposta sensorial a um estímulo visual ou auditivo) foram algumas das tendências escolhidas para representar 2018.

São muitas as tendências que cabem nos mais de oito minutos de vídeo que foi apresentado pelo Youtube. Mas houve espaço para falar de temas sérios, como a importância de ter um sítio para partilhar preocupações com a saúde mental, de aumentar a representação de grupos minoritários, e a emancipação das mulheres.

A banda sonora foi também composta por músicas que agradaram aos ouvidos dos utilizadores, como a “I like it” da Cardi B, e a “Happier”, de Marshmello com os Bastille. A música do Drake, “In my feelings”, esteve também em destaque, mas por ter espoletado um desafio de dança que consiste em acompanhar o ritmo da música ao lado de um carro em andamento.

Para além da longa lista de youtubers que aparece na retrospetiva, os apresentadores de programas na televisão que têm casa no Youtube, como Trevor Noah e John Oliver, mereceram uma menção. Os vídeos educativos têm também um pequeno papel no ‘rewind‘, uma componente que plataforma quer reforçar, tendo inclusive anunciado que ia investir 20 milhões de dólares na área.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saúde mental, poder no feminino e Fortnite. O ano em revista no “Youtube Rewind”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião