Selina, o hotel-comunidade, chegou ao Porto. Lisboa e Ericeira abrem já no próximo ano

Criado em 2015, empresa quer crescer também em Portugal, a primeira localização do grupo internacional na Europa. Depois do Porto, seguem-se outras cidades. Investimento será superior a 250 milhões.

Espaço da Rua das Oliveiras, no Porto, tem mais de 50 quartos e salas privadas.D.R.

Nos números 61-65 da rua das Oliveiras, no Porto, pode viver, trabalhar e ir a eventos — com direito a pessoas novas todos os dias –, e sem sair de “casa”. Tudo graças à Selina, projeto internacional de “destinos boutique” recém-instalado na cidade.

A ideia nasceu em 2007. Enquanto viviam em Pedasi, uma cidade piscatória no Panamá, os cofundadores Rafael Museri e Daniel Rudasevski, começaram a dar os primeiros passos num empreendimento imobiliário que concentrava cafés, restaurantes, wine bars, padarias e um Boutique Hotel. “Conseguiram colocar Pedasi no mapa como um ponto turístico importante e definir o conceito Selina, misturando uma variedade de conceitos de hospitalidade”, conta Jorge Azevedo. No entanto, a sua concretização só apareceu em 2015, com a primeira abertura da cadeia. Só que, além do projeto inicial, o conceito cresceu bem mais do que para um simples grupo hoteleiro. A Selina é uma comunidade.

“Foi construída para o nómada dos dias de hoje viver, trabalhar e explorar em qualquer parte do mundo, misturando alojamento projetado com espaços de trabalho, ofertas recreativas e experiências locais“, explica Jorge Azevedo. O espaço do Porto, explica, combina a componente social de um hostel com o conforto de um hotel boutique e as experiências de um retiro ou festival.

“A Selina adapta-se a todos os viajantes, com um ecossistema global de quartos, áreas comuns e espaços de coworking. A abordagem democrática de Selina para a acomodação faz com que todos, de qualquer fundo e orçamento, possam ter uma experiência única cercada por indivíduos com mentalidade semelhante“, detalha o responsável.

O espaço de estreia da Selina em Portugal foi inaugurado no Porto em outubro, num investimento de 10 milhões de euros: a casa conta com mais de 50 quartos e 190 camas, incluindo dormitórios com quatro, seis ou oito camas, e salas privadas de três categorias diferentes (Standard, Deluxe e Unique).

A opção de iniciar a nossa expansão europeia em Portugal foi natural. O Porto é uma cidade cheia de vida, conhecida pela sua gastronomia, vinho, história, arquitetura, bem como habitantes hospitaleiros que sabem partilhar esse espírito com a nossa comunidade. Sentimos que se conecta profundamente com a nossa missão e marca. Queremos que os nossos hóspedes tenham uma uma imersão autêntica e completa com esta comunidade local”, esclarece Jorge Azevedo, da Selina Porto.

Só em Portugal, o grupo tem previsto investir mais de 250 milhões de euros planeando, depois do Porto, abrir espaços em Lisboa, Albufeira, Comporta, Ericeira, Peniche, Cascais e Lagos. Lisboa e Ericeira serão os primeiros, cuja abertura está prevista para o primeiro semestre de 2019.

Em 2022, a Selina quer ter cerca de 7.500 camas em Portugal e encontra-se atualmente em processo de exploração do mercado para encontrar espaços nas novas localizações. A expansão será feita em parceria com grupos imobiliários para adquirir mais de metade das propriedades.

A missão da Selina é possibilitar conexões autênticas, significativas e transformadoras com pessoas, lugares e comunidades por todo o mundo. A opção de iniciar a nossa expansão europeia em Portugal foi natural.

Jorge Azevedo

Selina Porto

Só na América latina, o grupo conta com 24 hotéis mas o grupo quer expandir-se para a Europa através da Alemanha, Reino Unido e Grécia, tendo começado por Portugal. “De destinos urbanos a praia, montanha e selva, a Selina opera atualmente 30 propriedades em nove países da América — e mais de 1.500 funcionários — e a primeira na Europa no Porto, Portugal. Quanto ao planos de expansão, estão em andamento na América do Norte e em outros países da Europa”, esclarece Jorge Azevedo, ao ECO.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Selina, o hotel-comunidade, chegou ao Porto. Lisboa e Ericeira abrem já no próximo ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião