China quer carregar no acelerador e aumentar a velocidade dos comboios mais rápidos do mundo

A mais recente geração de comboios na China, que chega aos 350 quilómetros por hora, estreou no ano passado. Ainda não são conhecidas datas para o novo plano.

Se piscar já não os vê. Os comboios chineses já são os mais rápidos do mundo, mas querem carregar no acelerador e chegar ainda mais longe. Os chamados “bullet trains” já atingem os 350 quilómetros por hora.

A China Railway tem nos planos medidas para tornar ainda mais rápidas as viagens nos comboios de alta velocidade, revela Qi Yanhui, vice-diretor do departamento de tecnologia e informação do operador estatal, à Bloomberg (acesso condicionado/conteúdo em inglês).

A mais recente geração de comboios na China, que chega aos 350 quilómetros por hora, estreou no ano passado. Para os modelos seguintes ainda não é conhecido um calendário definido. Há definitivamente um plano, mas é difícil dizer quando”, explica Qi Yanhui. Para avançar com os planos será necessário realizar testes e justificar a necessidade.

Já aprovada está a construção de um túnel debaixo de água, inserido na linha de comboios de alta velocidade, num projeto de 3,6 mil milhões de dólares, de acordo com a CNN (acesso livre/conteúdo em inglês). O objetivo é impulsionar o turismo e diminuir o tempo das deslocações dos habitantes.

A rede ferroviária de alta velocidade do país é também a maior do mundo, estendendo-se ao longo de 25 mil quilómetros. Tem servido para testar novas formas de viajar, incluindo um “comboio supersónico”.

Para pôr em perspetiva os planos chineses, o comboio mais rápido da rede portuguesa é o Alfa Pendular, que tem uma velocidade máxima de 220 quilómetros por hora. Já a linha ferroviária de alta velocidade, mais conhecida por TGV, que era um dos projetos para o país, iria ultrapassar os 250 quilómetros por hora.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China quer carregar no acelerador e aumentar a velocidade dos comboios mais rápidos do mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião