Presidente da câmara de Braga exige explicações ao Governo sobre Hospital de Braga

Ricardo Rio quer que a ministra da Saúde explique se o Governo quer ou não manter o atual modelo de parceria pública privada no Hospital de Braga. Rio diz que esta é uma opção do Executivo.

As declarações da ministra da Saúde, Marta Temido, dando conta de que o Hospital de Braga que atualmente é gerido através de uma parceria público-privada (PPP) poderá voltar à esfera do Serviço Nacional de Saúde, não convenceram o presidente da câmara de Braga.

Ricardo Rio pede à ministra que “fale claro”. “Temos de perceber se o Governo quer ou não manter o modelo de parceira público privada e se vai ou não lançar um novo concurso para a gestão público-privada do Hospital de Braga”.

O atual contrato termina em agosto de 2019 pelo que não há tempo útil para lançar um concurso público. A ministra, de resto, alega que “o Estado desafiou a atual gestão para continuar a gerir o hospital — nas mesmas condições que vigoram atualmente — e o que nos foi dito é que, perante as condições, não queriam”.

Rio defende, a este propósito, que é necessário chegar a um entendimento com a atual gestão — grupo Mello Saúde — para que esta assegure, “durante o período de transição, a gestão do hospital, até que seja lançado um novo concurso e escolhido um novo parceiro”.

Para Ricardo Rio, “há margem para melhorar o serviço do Hospital, mas a avaliação da câmara, e a minha pessoal, é positiva. As próprias auditorias que foram feitas demonstram que há algum desaproveitamento da infraestrutura mas mais da parte do Estado porque não está a contratualizar”.

De resto, o autarca diz que se o hospital voltar para a esfera do Serviço Nacional de Saúde é “só e exclusivamente por vontade do Estado”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da câmara de Braga exige explicações ao Governo sobre Hospital de Braga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião