Hoje nas notícias: Estivadores, crowdfunding e BES

  • ECO
  • 14 Dezembro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Governo está a ponderar avançar com uma requisição civil para travar a greve dos estivadores do Porto de Setúbal. Na imprensa nacional, é ainda manchete a campanha de angariação de fundos dos enfermeiros, que bateu recordes (e já está outra em marcha). Conheça estas e outras notícias que estão a marcar a atualidade.

Governo admite requisição civil para acabar com greve dos estivadores

O primeiro-ministro António Costa terá mandado analisar a lei da requisição civil, datada de 1974, para tentar voltar a pôr o Porto de Setúbal a mexer. A greve dos trabalhadores eventuais dura há semanas e está a pôr em causa as operações de empresas que, juntas, valem até 4% do PIB nacional e 10% das exportações. A requisição civil é um mecanismo que o Governo pode usar em situações de emergência para assegurar o cumprimento de um serviço. Para tal, a requisição civil tem de ser aprovada por resolução do Conselho de Ministros e publicada em portaria no Diário da República.

Leia a notícia completa no Jornal Económico (acesso pago).

Greve dos enfermeiros bate recorde de crowdfunding

A campanha de angariação de fundos para financiar a greve dos enfermeiros foi a que mais dinheiro angariou na história da plataforma de crowdfunding PPL. A campanha contou com 14.415 participantes que fizeram donativos num montante total de 360 mil euros. Do valor total do dinheiro angariado, a plataforma fica com uma comissão de 7,5% mais IVA e transfere o remanescente para os promotores, que atingiram o objetivo. Há já uma segunda campanha em marcha, que deverá terminar em meados de janeiro, através da qual os enfermeiros pretendem angariar 400 mil euros. Em menos de 48 horas, já conseguiram 24 mil.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Governo discrimina Porto nos transportes

Há dez anos que o Governo dá menos dinheiro ao Porto do que a Lisboa por causa dos transportes, avança o Jornal de Notícias. O jornal faz ainda manchete com uma alegada dívida de 11 milhões de euros às empresas operadoras de transportes que pode pôr em risco a adesão ao passe único, criado ao abrigo do Orçamento do Estado para 2019.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (ligação indisponível).

Chefia da IGF travou pedido para Cruz Vermelha repor 8,7 milhões

Conhecem-se novos detalhes das suspeitas em torno de altos cargos da Inspeção-Geral de Finanças (IGF), um caso que já gerou buscas esta semana à sede da IGF, da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) e do Ministério da Defesa. Segundo o Público, o responsável de uma auditoria à CVP considerou que a associação deveria devolver 8,7 milhões de euros pagos sem qualquer base legal pela secretaria-geral daquele ministério. Mas o pedido terá sido travado pelos superiores hierárquicos, o inspetor-geral Vítor Braz e a subinspetora-geral Isabel Castelão da Silva. A justificação de Vítor Braz ao jornal é a de que o relatório da equipa “não cumpria as normas técnicas legais” e que “retirava conclusões erradas”.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Fundo dos lesados exige nove mil milhões aos gestores e auditores do BES

O Fundo de Recuperação de Créditos de clientes do BES vai processar 13 antigos gestores do falido Banco Espírito Santo (BES) e a auditora KPMG, exigindo 500 milhões de euros a cada um. A notícia foi apurada pelo Jornal Económico, um dia depois de se saber que a República Portuguesa está a ser processada por vários fundos geridos pela Pimco e por outras entidades internacionais, como o plano de pensões da IBM, na sequência da passagem de dívida sénior do Novo Banco para o BES.

Leia a notícia completa no Jornal Económico (ligação indisponível).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Estivadores, crowdfunding e BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião