Trump ameaça presidente da General Motors e exige-lhe a reabertura das fábricas

  • Lusa
  • 14 Dezembro 2018

A GM anunciou, no final de novembro, a eliminação em 2019 de 15% dos empregos no grupo. Trump acusa a CEO de ter feito escolhas estratégicas erradas.

A presidente da General Motors (GM), Mary Barra, foi fortemente criticada por Donald Trump, que a ameaçou e acusou de ter feito escolhas estratégicas erradas.

“É melhor que ela reabra rapidamente” as fábricas, avisou o Presidente dos EUA, em declarações à estação televisiva Fox News, dando a entender que Barra não seria capaz de se manter no cargo, se não mudasse de prioridades.

A GM anunciou, no final de novembro, a eliminação em 2019 de 15% dos empregos no grupo, em resultado da decisão de encerrar fábricas em sete locais: um em Oshawa, no Canada, quatro nos EUA e dois fora da América do Norte.

A General Motors não vai ser bem tratada”, ameaçou o ocupante da Casa Branca, que não para de criticar o construtor automóvel desde então. “Penso que é verdadeiramente lamentável”, disse sobre a decisão da GM.

“Não estou a dirigir um construtor automóvel, mas o elétrico não vai funcionar. Está muito bem ter uma percentagem de viaturas (elétricas), mas querer ter o modelo que ela (Mary Barra) quer ter, penso que é um erro”, estimou Trump.

O plano de reestruturação deve permitir à GM poupar seis mil milhões de dólares (5,3 mil milhões de euros), avançou o grupo. Quando anunciou a reestruturação, Mary Barra insistiu no facto de a GM querer “estar segura de investir”, em particular nos veículos autónomos ou elétricos, num momento em que o mercado norte-americano está a perder velocidade.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump ameaça presidente da General Motors e exige-lhe a reabertura das fábricas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião