Portugal entre os países da UE com maior percentagem de jovens na casa dos pais

Portugal está acima da média europeia em percentagem de jovens a viverem na casa dos pais. Fenómeno entre os jovens portugueses é mais expressivo do que na Eslovénia, mas menos do que em Espanha.

Portugal é o sétimo país da União Europeia (UE) com mais jovens a viverem com os pais, posicionando-se acima da média dos 28 Estados-membros no que toca a este fenómeno. A conclusão é retirada dos dados publicados esta sexta-feira pelo Eurostat, que dizem respeito ao ano de 2017.

Portugal ocupa a sétima posição dos países com mais jovens a viverem na casa dos pais, abaixo de Espanha, Grécia e Itália, mas acima da Eslovénia, da Irlanda e do Chipre. O país com mais jovens a morarem com os pais na UE é a Croácia.

Percentagem de jovens com idades entre 16 e 29 anos a viverem com os pais, em 2017

Fonte: Eurostat

A análise incide sobre pessoas com idades compreendidas entre 16 e 29 anos e faz distinção entre géneros. Desta forma, o gabinete de estatística da UE apurou que a percentagem de jovens do sexo masculino a viverem com os pais nos países da UE é superior à percentagem de jovens do sexo feminino.

“A quota de jovens com idades entre 16 e 29 anos a viverem com os pais em 2017 foi de 68,2% nos 28 Estados-membros da UE. Para os jovens do sexo masculino, a percentagem foi de 73,3%, enquanto, para as jovens do sexo feminino, a percentagem foi de 62,9%, estando separados por 10,4 pontos percentuais”, indica o Eurostat numa nota publicada no site daquele organismo europeu.

Entre os países em que mais jovens saem de casa dos pais estão, sobretudo, países do norte da Europa. É o caso da Finlândia, da Dinamarca e da Suécia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal entre os países da UE com maior percentagem de jovens na casa dos pais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião