“Olá, Mercedes”. Sim, o Classe A fala consigo

Se esteticamente o Classe A sofreu apenas uma atualização, a tecnologia embutida no pequeno familiar é toda nova. Parece um iPhone de última geração.

Não, o Classe A não nos vem receber à porta. Não nos cumprimenta quando entramos, mas está lá pronto para ajudar quando precisamos dele. Ou melhor, dela. Só temos de a chamar. Basta um simples “Olá, Mercedes” para que as nossas dúvidas sejam respondidas e, mais importante, que os nossos pedidos sejam satisfeitos.

“Olá, Mercedes”. “Em que posso ajudar?”, responde-nos a assistente virtual da fabricante germânica incluída no novo Classe A. “Como está o tempo em Lisboa?” Rapidamente ela faz-nos a descrição da meteorologia, tanto a atual como a dos dias que aí vêm. Se pedimos um tipo de música, ela sintoniza. E se tivermos frio, ela liga o aquecimento. É só pedir, sempre com um simpático “Olá” antes de cada desejo.

Faz tudo isto — e até abre a cortina do tejadilho — mostrando o que se pediu num ecrã gigante que é, sem dúvida, o ex-libris deste novo Classe A. Vai no centro do tablier até quase à janela do condutor, conferindo um toque high tech ao novo modelo. Se no centro do automóvel há muito infotainment, na parte que fica por detrás do volante privilegia-se a informação para o condutor. Mas é tudo configurável ao gosto do dono.

Mas onde está o manual?

É possível usar a voz para fazer um sem número de tarefas, mas para outras convém dar uso aos botões. E há muitos. Mesmo muitos. Desde o pad entre os bancos dianteiros até aos muitos outros que tomam conta de todo o espaço ao redor do airbag de quem tem o volante do A nas mãos. São tantos — e ainda mais se contarmos com os da climatização.

Para quem faz o ensaio é desafiante. Para quem usa diariamente, o desafio é menor. E com o passar do tempo, os toques nos botões no volante, ou no pad na consola central tornam-se automáticos. A partir desse momento passamos a contemplar todo aquele ecrã, a forma como se funde no tablier. E o olhar deixa-se conquistar pelo jogo de luzes personalizável que vem com este Mercedes, isto enquanto o resto do corpo aprecia as curvas dos bancos, mas também as da estrada.

Um bom com compromisso

Botão Start pressionado, seletor no Drive e o A ganha vida, desfilando a nova vestimenta — mais arrojada graças aos conjuntos óticos dianteiros mais rasgados, entradas de ar de maiores dimensões e uma grelha gigante — pelo asfalto. E há várias motorizações disponíveis, algumas delas partilhadas com a Renault. Um desses motores é o 1.4 litros de 163 cv, desenvolvido pela Mercedes e que pode ser encontrado também no Renault Scénic — que se junta ao 2.0 litros de 224 cv, da fabricante alemã.

Depois há o best seller, o A 180d, com um motor de origem Renault, o 1.5 DCi, com 116 cv. O diesel, equipado com caixa de velocidades automática 7G-DCT de dupla embraiagem, mostra-se um bom aliado para este pequeno motor, permitindo rápidas respostas ao pé direito.

Reponde bem, especialmente quando se coloca se seleciona o modo de condução mais desportivo, mas principalmente revela-se um bom compromisso tendo em conta os consumos. É extremamente comedido, conseguindo-se facilmente ficar na casa dos 5 litros/100 km. Em termos de preços, começam nos 27 mil euros, mas com algum equipamento extra facilmente chega aos 32 mil.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Olá, Mercedes”. Sim, o Classe A fala consigo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião