Macron organiza reunião sobre concertação nacional face a “coletes amarelos”

  • Lusa
  • 17 Dezembro 2018

O chefe de Estado anulou a deslocação que tinha previsto a Biarritz, para o lançamento da presidência francesa do G7, para reunir no Eliseu com os ministros e atores económicos.

O presidente francês, Emmanuel Macron, vai reunir na terça-feira no Eliseu ministros e atores económicos para organizar a concertação nacional anunciada no âmbito das medidas ligadas à crise dos “coletes amarelos”, anunciou esta segunda-feira a presidência.

Devido a isso, o chefe de Estado anulou a deslocação que tinha previsto a Biarritz para o lançamento da presidência francesa do G7 e será substituído por Jean-Yves Le Drian, ministro dos Negócios Estrangeiros, precisou o Eliseu.

Biarritz acolhe a cimeira do G7 de 24 a 26 de agosto e Macron deveria apresentar as prioridades diplomáticas da França para 2019 a uma centena de embaixadores colocados em Paris.

As modalidades da realização da “grande concertação nacional” devem ser conhecidas esta semana. O debate, previsto para decorrer até 1 de março, deve apoiar-se nos presidentes de câmara e abordar quatro grandes temas: transição ecológica, fiscalidade, organização do Estado e democracia e cidadania, no qual se inclui a imigração.

O movimento dos “coletes amarelos” convocado por cidadãos nas redes sociais, começou por ser um protesto contra o aumento dos combustíveis em França, transformando-se, à medida que aumentou a adesão popular, num movimento de contestação social contra o custo de vida.

Desde 17 de novembro, e ao longo de cinco sábados consecutivos, muitos milhares de manifestantes invadiram as ruas, com alguma violência, incendiando viaturas e contentores do lixo, arrombando e pilhando lojas por todo o país e entrando em confronto direto com as forças policiais, o que causou centenas de feridos e milhares de detenções.

No dia 10, Macron anunciou quatro medidas para aumentar o poder de compra dos assalariados e pensionistas de rendimentos baixos e médios, com destaque para o aumento de 100 euros do salário mínimo.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, admitiu que o Governo não “ouviu suficientemente os franceses” e “cometeu erros” na gestão da crise dos “coletes amarelos” numa entrevista ao jornal Les Echos.

Philippe disse que as medidas para acalmar os protestos vão custar dez mil milhões de euros aos cofres públicos em 2019 e farão crescer o défice até 3,2% do produto interno bruto (PIB).

Comentários ({{ total }})

Macron organiza reunião sobre concertação nacional face a “coletes amarelos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião