Enfermeiros chegam a acordo com o Governo. Greves de 26, 27 e 28 de dezembro canceladas

  • Lusa
  • 18 Dezembro 2018

Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros (FENSE) chegou a um acordo com o Governo e cancelou as greves que estavam agendadas para os dias 26, 27 e 28 de dezembro.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros (FENSE) levantou a greve marcada para os dias 26, 27 e 28 de dezembro, avançou à Lusa um dirigente sindical.

O anúncio da FENSE, que agrega o Sindicato dos Enfermeiros e o Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem, surge após uma reunião com a Comissão Negociadora do Ministério da Saúde e das Finanças, que decorreu na Administração Central do Sistema de Saúde, em Lisboa.

Vamos levantar a greve que tínhamos marcada para dia 26, 27 e 28 de dezembro”, disse à Lusa José Azevedo, presidente do Sindicato dos Enfermeiros e porta-voz da FENSE.

Sobre as negociações, José Azevedo disse apenas que “está tudo a correr normalmente em termos negociais”, remetendo mais explicações para uma conferência de imprensa que está marcada para quarta-feira.

“As negociações continuam e temos a próxima reunião marcada para o dia 4 de janeiro”, frisou.

Ministério convida sindicatos para reunião na sexta

O Ministério da Saúde anunciou, esta terça-feira, que “convidou os sindicatos dos enfermeiros” para uma reunião na sexta-feira, à margem das negociações, com o propósito de “desenvolver uma reflexão conjunta” sobre o setor, em especial a profissão de enfermeiro.

Numa nota à imprensa, o Ministério afirma-se “empenhado em discutir com os profissionais de enfermagem”, assinalando “a necessidade de consensos que dignifiquem a profissão e respondam às necessidades de cuidados de saúde de todas as pessoas”.

O Ministério da Saúde assegura que está “a envidar todos os esforços” para “garantir a continuidade das negociações que estão em curso” com os sindicatos dos enfermeiros.

A nota da tutela surge depois de a Ordem dos Enfermeiros ter defendido um acordo entre o Governo e os sindicatos em relação à ‘greve cirúrgica’, a decorrer até ao fim do ano nos blocos operatórios de cinco hospitais, alertando para o adiamento de mais de sete mil cirurgias.

(Notícia atualizada às 21h26).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Enfermeiros chegam a acordo com o Governo. Greves de 26, 27 e 28 de dezembro canceladas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião