EDP Renováveis arrecada 42 milhões de euros com venda de eólicas em França

A empresa de energias limpas vendeu 13,5% da sua participação nos projetos eólicos offshore Yeu-Noirmoutier e Dieppe-Le Trépor, em França. Ficou com 29,5%.

A EDP Renováveis fechou mais um negócio, desta vez em França. A energética liderada por Manso Neto vendeu uma participações de 13,5% de dois projetos eólicos offshore naquele país a um grupo japonês, operação que lhe permitiu arrecadar para já 42 milhões de euros, deu conta em comunicado enviado ao mercado.

“A EDP Renováveis anuncia a venda de uma participação de 13,5% nos projetos eólicos offshore Yeu-Noirmoutier e Dieppe-Le Tréport, ambos em França, a duas empresas controladas pela Sumitomo Corporation (”Sumitomo”), a SRPN SAS e a SRPT SAS”, começa por adiantar o comunicado publicado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários nesta terça-feira.

A Sumitomo é um grupo industrial japonês que opera no setor de energia eólica no Japão, na Europa, nos Estados Unidos, na África do Sul e na China.

A EDP Renováveis adianta ainda que a venda se concretizou através de um primeiro pagamento de 42 milhões de euros, valor que explica “poderá aumentar no futuro se certas condições contratualizadas ocorrerem“, sem concretizar quais.

Com esta alienação, a EDP Renováveis reduz a sua participação naqueles projetos eólicos, para 29,5%. Os projetos eólicos offshore Yeu-Noirmoutier e Dieppe-Le Tréport têm cada um capacidade esperada de 496 MW e, em abril de 2014, foram selecionados pelo Governo francês para serem desenvolvidos, construídos e operados.

“Atualmente ambos os projetos encontram-se em desenvolvimento e espera-se que o início das operações ocorra na primeira metade da próxima década”, explica ainda a empresa liderada por Manso Neto.

Comentários ({{ total }})

EDP Renováveis arrecada 42 milhões de euros com venda de eólicas em França

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião