Espanhóis da Meliá Hotels investem 11 milhões em hotel em Viana do Castelo. Já é o 15.º em Portugal

  • Lusa
  • 19 Dezembro 2018

O grupo espanhol Meliá Hotels International vai investir 11 milhões para construir um hotel em Viana do Castelo, naquele que será o 15.º que o grupo já tem em território português.

O grupo espanhol Meliá Hotels International vai investir 11 milhões de euros na construção de um novo hotel em Viana do Castelo, disse esta quarta-feira à Lusa o presidente da Câmara.

José Maria Costa adiantou que “a nova unidade hoteleira, de quatro estrelas, entrará em funcionamento no último semestre de 2021 e será dotada de centro de congressos, piscina, entre outras valências”. Vai criar “cerca de uma centena de postos de trabalho, atendendo a que terá entre 130 a 142 quartos e que vários serviços qualificados para um conjunto vasto de atividades”.

Este será, então, o 15.º hotel que o grupo espanhol detém em território português, juntando-se aos 14 que estão localizados em Aveiro, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Costa de Caparica, Covilhã, Leiria, Lisboa, Madeira, Montijo, Porto e Setúbal.

O novo projeto do grupo espanhol, que vai ser construído num lote de terreno com cerca de sete mil metros quadrados junto ao Parque Ecológico de Viana do Castelo, “será apresentado em meados de 2019 para ser construído em cerca de dois anos”. José Maria Costa revelou que o hotel vai ter um “bom projeto de arquitetura que garantirá mais uma marca distintiva para cidade”.

O novo equipamento vem ao encontro dos apelos que o autarca socialista tem vindo a fazer ao tecido empresarial, por considerar que “o concelho precisa de mais cerca de três novos hotéis de quatro estrelas para responderem à dinâmica da cidade”. “Este hotel vem aumentar a capacidade de alojamento em Viana do Castelo, um alojamento qualificado que poderá atrair para Viana do Castelo novos eventos, permitindo à cidade competir com outras cidades a realização de eventos nacionais e internacionais”, sublinhou, referindo que irá também “aumentar visibilidade” da capital do Alto Minho no exterior.

Na semana passada, José Maria Costa anunciou que a venda, na totalidade, dos 30 lotes de terreno no Parque da Cidade, cuja alienação tinha sido iniciada há 12 anos, que permitiu à sociedade VianaPolis um encaixe financeiro de oito milhões de euros. Em causa estão terrenos situados junto ao rio Lima, intervencionados pela VianaPolis e colocados à venda, em 2006, por 21,6 milhões de euros, mas sucessivas hastas públicas não os conseguiram negociar, apesar das várias revisões do preço base.

Em 2013, na última tentativa, o preço base ficou fixado nos 7,5 milhões de euros. Desde então a venda ficou aberta em contínuo, aguardando por investidores interessados. O autarca socialista justificou a venda de todos os lotes daquela zona da cidade com a “forte atratividade de Viana do Castelo para a atividade imobiliária e o crescente interesse dos investidores”.

O Parque da Cidade foi recuperado e infraestruturado pela sociedade VianaPolis, responsável pela execução do programa Polis de Viana do Castelo, detida em 60% pelos ministérios do Ambiente e das Finanças e em 40% pelo município. Em causa está uma área de 63.199 metros quadrados de terrenos para a construção de habitação de luxo, 1.776 metros quadrados para comércio, 19.526 metros quadrados de estacionamento, além de um lote de 9.496 metros quadrados para construção de um hotel.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanhóis da Meliá Hotels investem 11 milhões em hotel em Viana do Castelo. Já é o 15.º em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião