Fed pesa em Lisboa e na Europa. Galp e BCP arrastam bolsa

A bolsa nacional está no vermelho em sintonia com as pares europeias, com os investidores a revelarem os seus receios depois da Fed ter subido as taxas de juro na quarta-feira. Galp e BCP pressionam.

Após um dia de pausa, a bolsa nacional volta a mergulhar nas perdas. A praça lisboeta está no vermelho, seguindo o rumo das pares europeias, com as ações do Velho Continente em mínimos de final de 2016. Os investidores revelam os seus receios após as indicações da Reserva Federal dos EUA (Fed) que na quarta-feira anunciou uma nova subida das taxas de juro. No PSI-20, a Galp e o BCP são os títulos que mais pesam.

O índice de referencia da bolsa nacional arrancou a perder 0,84%, para os 4.704,16 pontos. As bolsas europeias também seguem negativas, com o Stoxx Europe 600 a recuar 1,4%, para mínimos de dezembro de 2016. Isto depois de Wall Street ter fechado na quarta-feira em novos mínimos, sentimento que também se alastrou para a sessão bolsista asiática nesta quarta-feira.

Esse sell-off surge após o anúncio da Fed de uma nova subida dos juros, pela quarta vez este ano, e de que prevê mais duas subidas dos juros em 2019, uma previsão que desiludiu os investidores. Estes esperavam redução ainda maior no ritmo de subida dos juros, ou mesmo uma pausa.

Em Lisboa, destaque para a Galp Energia que vê as suas ações deslizarem 1,61%, para os 13,75 euros, num dia que volta a ser marcado pela quebra das cotações do petróleo. O preço do barril do brent negociado em Londres — referência para as importações nacionais — desvaloriza 1,83%, para os 56,19 dólares.

Por sua vez, os títulos do BCP recuam 1,35%, para os 23,32 cêntimos, sendo um dos principais pesos neste regresso às quedas da praça nacional. Mas o vermelho marca o sentimento de quase todas as cotadas do PSI-20.

Nota ainda para a Nos e a Sonae, cujas ações sofrem perdas de 1,87% e 1,84%, respetivamente, para os 5,25 euros e 80,20 cêntimos.

O grupo EDP também está mergulhado das perdas. As ações da elétrica liderada por António Mexia perdem 0,84%, para os 2,964 euros, enquanto as da cotada comandada por Manso Neto — a EDP Renováveis — caem 0,33%, para os 9,02 euros.

(Notícia atualizada às 8h27 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed pesa em Lisboa e na Europa. Galp e BCP arrastam bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião