Fed revê em baixa projeções de crescimento e pressiona Wall Street

Wall Street caiu mais de 1,3%, no dia em que a Fed subiu as taxas de juro, anunciou que irá fazer dois aumentos da taxa diretora em 2019 e reviu em baixa as projeções de crescimento dos EUA, em 2019.

Jerome Powell fez tremer Wall Street, esta quarta-feira. O banco central dos Estados Unidos anunciou uma nova subida das taxas de juro, adiantou que irá fazer dois aumentos da taxa diretora no próximo ano e reviu em baixa as projeções para o PIB norte-americano, em 2019, o que levou a praça nova-iorquina a terreno negativo, um mínimo de 15 meses, de acordo com a Bloomberg.

No fecho da sessão de quarta-feira, o índice de referência, o S&P 500, recuou 1,39% para 2.510,68 pontos. Uma queda mais acentuada registou o tecnológico Nasdaq, que fechou em baixa 2,08% para 6.643,11 pontos. O industrial Dow Jones também ficou abaixo da linha de água, caindo 1,49% para 23.323,66 pontos.

Sem surpresa, a Reserve Federal norte-americana subiu, esta tarde, as taxas de juro, pela quarta vez este ano. Em causa está um aumento de 25 pontos base na taxa diretora, fixando o intervalo dos juros entre 2,25% e 2,50%.

Esta decisão — que foi considerada uma “tolice” pelo Presidente dos EUA — já era antecipada pelos mercados. Daí que o fraco desempenho da praça nova-iorquina não se fique a dever tanto a esta subida, mas sobretudo ao anúncio de que, no próximo ano, a Fed espera aumentar duas vezes as taxas de juro. Isto quando os dados recolhidos pela Reuters indicavam que os analistas esperavam apenas uma subida no próximo ano.

Por outro lado, o banco central liderado por Powell decidiu rever em baixa as projeções para o PIB norte-americano, antecipando um crescimento de 2,3% no próximo ano, o que abalou a confiança dos investidores.

“Mantém-se o fosso entre a posição da Fed e as expectativas políticas dos mercados para 2019”, sublinha o analista David Joy, citado pela Reuters. O norte-americano reforça ainda que esta quarta subida das taxas foi uma “desilusão” para os investidores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed revê em baixa projeções de crescimento e pressiona Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião