Moody’s: Portugal e Espanha estão melhor preparados do que Itália para fim das compras do BCE

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2018

A agência de rating diz que Portugal, a par de Espanha, está bem posicionado para continuar a gerir as suas fontes de financiamento "após o programa de compra de dívida". O mesmo não vê em Itália.

A agência de rating Moody’s considera que Portugal e Espanha estão mais bem posicionados do que a Itália para enfrentar a transição para o ambiente “pós-programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE)”.

O BCE pôs fim ao seu programa de compra de dívidas iniciado em 2015, com o qual acumulou obrigações no valor de 2,5 biliões de euros, dos quais 12,55% correspondiam a títulos de dívida espanhóis.

Num relatório publicado esta quinta-feira, a agência Moody’s explica que Itália, Espanha e Portugal precisarão de continuar a diversificar as fontes de financiamento, “para atender às suas necessidades de dívida ainda muito altas”, quando o BCE finalizar o seu programa de compra de dívida.

No entanto, considera que Espanha e Portugal estão bem posicionados para continuar a gerir este ambiente “após o programa de compra de dívida, enquanto a Itália terá de enfrentar desafios mais significativos“, por causa da sua situação política e económica.

No relatório, a agência destaca a maior qualidade de crédito de Espanha e a procura robusta de investidores estrangeiros, enquanto, no caso de Portugal, valoriza os investidores e as fontes de financiamento cada vez mais diversificadas.

Esses fatores colocam os dois países “numa posição comparativamente boa” após o programa de compra de dívida do BCE, afirma a Moody’s.

“Embora consideremos que os riscos de uma crise de liquidez para Itália sejam baixos, a venda maciça feita por investidores não residentes a partir de maio deste ano significa que a gestão da transição será mais difícil para este país”, adverte a agência de rating.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s: Portugal e Espanha estão melhor preparados do que Itália para fim das compras do BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião