“Greve cirúrgica” já rendeu 33 mil euros à plataforma de crowdfunding PPL

  • ECO
  • 20 Dezembro 2018

A recolha de fundos para a greve dos enfermeiros às cirurgias é já a mais valiosa levada a cabo pela plataforma de crowdfunding PPL.

A campanha de angariação de fundos para a greve dos enfermeiros, “greve cirúrgica”, feita através de um processo de crowdfunding na PPL, já rendeu 33 mil à plataforma. O valor reflete o total angariado na campanha: 360 mil euros angariados, escreve o jornal Público (acesso pago) na edição desta quinta-feira.

Entretanto, as comissões podem vir a aumentar caso a recolha de fundos venha a atingir os 400 mil euros, como é objetivo até meados de janeiro. A campanha é já a mais valiosa lançada pela plataforma. Atrás fica apenas a lançada por Nuno Markl, em 2014, para financiar um filme. No entanto, conseguiu angariar apenas 40 mil dos 100 mil requeridos.

O dinheiro recolhido tem como objetivo pagar aos enfermeiros que faltam ao trabalho nos blocos operatórios dos cinco centros hospitalares afetados pela greve, num valor de 42 euros por dia. Facto que permite à manifestação arrastar-se durante vários dias. Apesar de serem cerca de 700 enfermeiros envolvidos no protestos, esta será já a maior paragem em termos de impacto: segundo dados do Ministério da Saúde, o protesto levou ao cancelamento de seis mil cirurgias.

Na plataforma é possível qualquer pessoa aceder aos nomes dos doadores, mas não do montante com que cada um contribuiu. A percentagem de doadores anónimos tem levado a levantar questões de transparência, visto que há quem acredite que os hospitais privados estão a financiar o protesto. Em entrevista ao Público, Catarina Barbosa, uma das enfermeiras responsáveis pela organização do protesto, rejeita essa acusação e diz ser uma “teoria da conspiração que não faz qualquer sentido”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Greve cirúrgica” já rendeu 33 mil euros à plataforma de crowdfunding PPL

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião