A. Barreto Menezes Cordeiro publica 2ª edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários

  • BRANDS' ADVOCATUS
  • 21 Dezembro 2018

O Manual de Direito dos Valores Mobiliários foi revisto à luz da nova Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros, que vem reforçar o quadro regulatório da intermediação financeira.

A. Barreto Menezes Cordeiro, Professor da Faculdade de Direito de Lisboa e do CIDP e Diretor da Revista de Direito Financeiro e dos Mercados de Capitais (RDFMC), publica a 2ª edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários.

“Esta segunda edição reflete a evolução jurídica contemporânea do Direito dos valores mobiliários, assente em três grandes movimentos: (i) a integração com o Direito bancário e o Direito dos seguros, formando, conjuntamente, um renovado ramo jurídico: o Direito financeiro; (ii) os avanços tecnológicos e o seu impacto na prestação dos serviços financeiros e nas relações com os clientes; e (iii) a consolidação do Direito europeu e a uniformização dos Direitos internos dos Estados-Membros” sublinha o autor.

A nova edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários, publicada pela Editora Almedina, encontra-se totalmente revista à luz da Lei n.º 35/2018, de 20 de julho, que transpôs para a ordem jurídica interna a DMIF II. Trata-se da maior reforma do Direito dos Valores Mobiliários da última década. O diploma, que tem um impacto transversal em todo o Código dos Valores Mobiliários, destaca-se pelas alterações introduzidas no regime jurídico da intermediação financeira, com a densificação dos deveres dos intermediários financeiros e o acréscimo da proteção concedida aos investidores.“Na última década têm-se multiplicado os litígios relativos à violação dos deveres dos intermediários financeiros, com destaque para o dever de adequação e para o dever de informação. Esta segunda edição reflete também o percurso positivo prosseguido pela jurisprudência nacional, no sentido da proteção dos investidores não profissionais, sem, todavia, descurar a dimensão de risco que subjaz a qualquer investimento nos mercados financeiros” afirma A. Barreto Menezes Cordeiro.

Barreto Menezes Cordeiro incorporou, ainda, nesta nova edição, os avanços mobiliários – práticos e legislativos – da tecnologia financeira: dark pools, high-frequency trading, crowdfunding, robot-advisors e ICOs.

A. Barreto Menezes Cordeiro destaca ainda que “ao densificar os deveres dos intermediários financeiros, a Lei n.º 35/2018 – que transpôs para a ordem jurídica interna a DMIF II – reforçou os princípios que desde 1999 sustentam o Código dos Valores Mobiliários: a proteção dos investidores, a eficiência, a transparência e a integridade do mercado.”

O Autor considera que a FinTech é hoje parte integrante do Direito financeiro e da sua aplicação quotidiana, devendo, por isso, ser estudada de forma integrada e complementar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A. Barreto Menezes Cordeiro publica 2ª edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião