A. Barreto Menezes Cordeiro publica 2ª edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários

  • BRANDS' ADVOCATUS
  • 21 Dezembro 2018

O Manual de Direito dos Valores Mobiliários foi revisto à luz da nova Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros, que vem reforçar o quadro regulatório da intermediação financeira.

A. Barreto Menezes Cordeiro, Professor da Faculdade de Direito de Lisboa e do CIDP e Diretor da Revista de Direito Financeiro e dos Mercados de Capitais (RDFMC), publica a 2ª edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários.

“Esta segunda edição reflete a evolução jurídica contemporânea do Direito dos valores mobiliários, assente em três grandes movimentos: (i) a integração com o Direito bancário e o Direito dos seguros, formando, conjuntamente, um renovado ramo jurídico: o Direito financeiro; (ii) os avanços tecnológicos e o seu impacto na prestação dos serviços financeiros e nas relações com os clientes; e (iii) a consolidação do Direito europeu e a uniformização dos Direitos internos dos Estados-Membros” sublinha o autor.

A nova edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários, publicada pela Editora Almedina, encontra-se totalmente revista à luz da Lei n.º 35/2018, de 20 de julho, que transpôs para a ordem jurídica interna a DMIF II. Trata-se da maior reforma do Direito dos Valores Mobiliários da última década. O diploma, que tem um impacto transversal em todo o Código dos Valores Mobiliários, destaca-se pelas alterações introduzidas no regime jurídico da intermediação financeira, com a densificação dos deveres dos intermediários financeiros e o acréscimo da proteção concedida aos investidores.“Na última década têm-se multiplicado os litígios relativos à violação dos deveres dos intermediários financeiros, com destaque para o dever de adequação e para o dever de informação. Esta segunda edição reflete também o percurso positivo prosseguido pela jurisprudência nacional, no sentido da proteção dos investidores não profissionais, sem, todavia, descurar a dimensão de risco que subjaz a qualquer investimento nos mercados financeiros” afirma A. Barreto Menezes Cordeiro.

Barreto Menezes Cordeiro incorporou, ainda, nesta nova edição, os avanços mobiliários – práticos e legislativos – da tecnologia financeira: dark pools, high-frequency trading, crowdfunding, robot-advisors e ICOs.

A. Barreto Menezes Cordeiro destaca ainda que “ao densificar os deveres dos intermediários financeiros, a Lei n.º 35/2018 – que transpôs para a ordem jurídica interna a DMIF II – reforçou os princípios que desde 1999 sustentam o Código dos Valores Mobiliários: a proteção dos investidores, a eficiência, a transparência e a integridade do mercado.”

O Autor considera que a FinTech é hoje parte integrante do Direito financeiro e da sua aplicação quotidiana, devendo, por isso, ser estudada de forma integrada e complementar.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A. Barreto Menezes Cordeiro publica 2ª edição do Manual de Direito dos Valores Mobiliários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião