Conselho da Diáspora discute talento em Cascais

  • ECO e Lusa
  • 21 Dezembro 2018

O Conselho da Diáspora, liderado por Filipe de Botton, volta a reunir esta sexta-feira em Cascais. A retenção de talento é um dos temas na agenda.

O Conselho da Diáspora, um ‘think-tank’ que reúne gestores e empresários portugueses no mundo, volta a encontrar-se esta sexta-feira em Cascais, com o talento na agenda, tem objetivos muito concretos: O presidente do Conselho, Filipe de Botton, afirma que o objetivo para o futuro é fazer mais ações concretas, exemplificando com uma iniciativa na área da prevenção oncológica, que permite uma poupança de mil milhões de euros.

Em entrevista à Lusa na véspera do Encontro da Diáspora, o empresário explicou que o conselho “é um ‘think tank’ mas está também a fazer ações concretas”, destacando a área da prevenção oncológica e um investimento de 50 milhões de dólares entre a Universidade Católica do Porto e um dos conselheiros “para um centro de desenvolvimento de biotecnologia para servir o mundo a partir de Portugal”.

Em causa está uma parceria entre o centro de investigação oncológica MD Anderson, trazido para Portugal por um dos conselheiros, “que está a fazer prova do que se pode fazer nesta área”, gerando “poupanças superiores a mil milhões de euros por ano”, disse Filipe de Botton.

O Conselho da Diáspora reúne-se, desde há sete anos, uma vez por ano, com o presidente e o vice-presidente honorários, que são o Presidente da República e o ministro dos Negócios Estrangeiros, levando um ou dois temas e propostas sobre como tornar Portugal mais atrativo.

“Trazemos à discussão dois temas e os principais interessados na cadeia de valor para falarem sobre um tema específico e darem a sua experiência, e este ano os temas são o talento, a retenção e criação de talento, e o posicionamento relativo de Portugal para manter ou melhorar os bons índices de competitividade”, disse Filipe de Botton.

Portugal, defendeu, “está a ser vítima do seu sucesso” porque tem sido um local de investimento privilegiado, “está a começar a ter falta de recursos de gente bem preparada para ir ao encontro das necessidades de emprego de talento”.

O Conselho da Diáspora tem três grandes prioridades, que são aproximar a diáspora dos portugueses influentes de Portugal, trazer ideias e fazer a ponte entre o país e os potenciais investidores, e internacionalizar o próprio Conselho.

“Para o futuro, queremos internacionalizar o Conselho da Diáspora”, salientou Filipe de Botton, exemplificando com o Fórum EuroÁfrica, que decorreu no verão passado no Estoril, e cuja presença do ministro das Relações Exteriores de Angola, Manuel Augusto, juntamente com mais sete ministros africanos, permitiu “reatar as relações diplomáticas entre Portugal e Angola, um efeito lateral, mas que mostrou o papel que pode ter o Conselho”, concluiu.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho da Diáspora discute talento em Cascais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião