Contestação aumenta. Já houve mais de 500 greves este ano

  • Lusa
  • 22 Dezembro 2018

Nos últimos dois meses do ano passado a contestação intensificou-se, com um total de 100 greves. É expectável que a situação se repita este ano.

O ano de 2018 foi marcado por uma persistente contestação social, com um total de 518 greves registadas até outubro, número que deverá crescer consideravelmente até ao final do ano, dado que novembro e dezembro têm sido fortes em paralisações.

Os dados publicados pela Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) sobre o número de pré-avisos de greve que lhe foram comunicados mostram um aumento das paralisações entre 2017 e 2018 de 0,97%, mas analisando apenas as greves comunicadas até ao fim de outubro, que é o último mês deste ano registado.

Somando as greves dos três primeiros trimestres deste ano (435) às greves de outubro (83), verifica-se que foram comunicadas à DGERT 518 greves em 10 meses.

No mesmo período de 2017 tinham sido comunicadas 513 greves. No final do ano passado foram registadas 613 paralisações.

Em 2017, o trimestre com mais greves foi o segundo, com 182, o mesmo acontecendo este ano, com o segundo trimestre a registar 207 greves.

No mês de outubro de 2017 foram comunicadas 87 greves à DGERT, enquanto em outubro de 2018 foram comunicadas 83.

Nos últimos dois meses do ano passado a contestação intensificou-se, com um total de 100 greves.

Embora ainda não existam dados oficiais dos meses de novembro e dezembro de 2018, é expectável que a situação se repita, pois os dois últimos meses deste ano estão a ser marcados por sucessivas paralisações.

Só em dezembro já se realizaram, ou estão previstas, greves no setor da panificação, das cantinas escolares, dos ferroviários, dos supermercados, dos registos e notariados e dos centros de atendimento telefónico, entre outros.

Mas foram as greves dos enfermeiros e dos estivadores que mais marcaram este final de ano, quer pela sua duração, quer pelas suas repercussões.

Os enfermeiros, que fizeram várias greves ao longo do ano e em vários hospitais do país, têm em curso até dia 31 a chamada “greve cirúrgica”, que está a levar ao adiamento de centenas de operações por dia.

Os estivadores de Setúbal estiveram em protesto mais de um mês, paralisando a atividade do porto, de onde saem os automóveis da Autoeuropa. O conflito terminou com a assinatura, no dia 14, de um acordo, sob mediação do Governo, que vai levar a uma redução considerável das situações de precariedade laboral.

Os dados da DGERT referem apenas o número de pré-avisos de greve comunicados aos respetivos serviços, não tendo em conta as paralisações que foram suspensas, nem o número de dias de greve que cada pré-aviso prevê.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contestação aumenta. Já houve mais de 500 greves este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião