Bilhetes do Metro de Lisboa mais caros em 2019. No Porto, só aumentam os passes

A partir de 1 de janeiro de 2019, os títulos ocasionais do Metro de Lisboa vão aumentar. O bilhete para uma viagem na Carris e Metro sobe 5 cêntimos, de 1,45 euros para 1,50.

Vai ser mais caro viajar no Metro de Lisboa no próximo ano, para quem não tem passe. A partir de 1 de janeiro de 2019, o bilhete para Carris e Metro passa de 1,45 euros para 1,50 — um aumento de 5 cêntimos. Já uma viagem no metro para quem tem cartão Zapping custará 1,33 euros, mais dois cêntimos do que este ano.

De acordo com os valores publicados na página do Metro de Lisboa, o bilhete diário, que é válido por 24 horas para Carris e Metro, sobe dez cêntimos para 6,40 euros. O diário combinado para Carris, Metro e Transtejo passa de 9,35 euros para 9,50 euros, e aquele que junta Carris, Metro e CP fixa-se nos 10,55 euros, 15 cêntimos acima do preço anterior.

Já as tarifas para quem viaja regularmente e compra passe não mudam. “O preço dos restantes passes (mensais e de 30 dias) não será alterado“, indica o Metro de Lisboa. No entanto, em 2019, as famílias portuguesas vão ver limitados os custos com o passe social 80 euros por agregado, como determina o Orçamento do Estado para o próximo ano.

O Metro de Lisboa vai crescer nos próximos anos. Será construído um “novo troço de dois quilómetros entre o Rato e o Cais do Sodré, que vai acrescentar duas novas estações (Estrela e Santos) à rede. A empreitada inclui ainda a remodelação das instalações do Cais do Sodré e intervenções nos viadutos do Campo Grande, de forma a ligar as atuais linhas Verde e Amarela”, segundo revela o comunicado de 13 de dezembro do ministério tutelado por João Matos Fernandes, quando foi dada luz verde para as despesas inerentes a esta obra.

A expansão do metro de Lisboa e do Porto deverá ficar concluída em 2023. O Orçamento do Estado vai pagar 63% das obras, e o restante é financiado por fundos comunitários, graças às alterações introduzidas com a reprogramação do Portugal 2020.

Pelo Porto, os passes sobem e as viagens ocasionais mantêm-se

Na Invicta, as mudanças nos preços dos transportes são o contrário da capital. As assinaturas mensais do Andante, usadas na maioria dos transportes públicos da Área Metropolitana do Porto, vão aumentar a 1 de janeiro e os títulos ocasionais mantêm o preço, revelou a Transportes Intermodais do Porto (TIP).

De acordo com a informação disponibilizada na página da Internet da empresa, as assinaturas mensais com os novos valores começam a ser vendidas a 26 de dezembro e, no caso das viagens Z2, a subida é de 30,60 para 31,15 euros, o equivalente a um aumento de 1,79% relativamente aos valores de 2018, segundo os cálculos feitos pela agência Lusa.

Quanto aos passes de assinatura mensal, o mais baixo vai situar-se nos 31,15 euros para as viagens Z2, nos 38,40 para as Z3 e nos 48,65 para as Z4, chegando aos 127,10 para as Z12. Nos títulos mensais para os Sub 23 (com desconto de 25%), os valores variam entre os 23,25 e os 95,35 euros.

Quanto ao passe Social + (desconto de 50%), o mais barato é de 15,60 euros e o mais alto de 63,55 euros. Para quem tem direito a desconto de 60%, os valores dos títulos de assinatura mensal oscilam entre os 12,45 euros e os 50,85 euros.

O Orçamento do Estado para 2019 aumenta a verba de apoio para reduzir os preços dos passes sociais em 21 milhões de euros, para 104 milhões, mas a disponibilização do novo tarifário social apenas deve entrar em vigor a 1 de abril de 2019.

No que diz respeito aos títulos “ocasionais”, também usados no Metro do Porto, Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP), CP e operadores privados, os preços continuam os mesmos. Segundo o novo tarifário divulgado pela TIP, os Andante 24 também entram em 2019 com os mesmos valores.

(Notícia atualizada às 15h20 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bilhetes do Metro de Lisboa mais caros em 2019. No Porto, só aumentam os passes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião