Metro do Porto abre concurso para compra de 18 composições

O Metro do Porto abriu, esta sexta-feira, o concurso público para a compra de 18 novas composições, num investimento de 56,1 milhões de euros.

O Metro do Porto lançou, esta sexta-feira, o concurso público internacional para a aquisição de 18 novas composições. Em causa está um investimento de 56,1 milhões de euros, que inclui a “manutenção total” desse equipamento, por um período de cinco anos.

“Com este investimento, a frota do Metro do Porto passará a contar com 120 unidades, garantindo a qualidade do serviço num cenário de forte aumento da procura, motivada pelo alargamento da rede“, sublinhou o Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em comunicado.

Esta aquisição tinha sido anunciada, no final de maio, pelo presidente da administração do Metro do Porto. Nessa ocasião, Jorge Delgado adiantou que seriam compradas 14 a 18 novas composições, no âmbito da expansão da rede urbana, incluindo a construção da Linha Amarela (Santo Ovídio – Vila D’Este) e da Linha Rosa (Casa da Música – São Bento).

Nove meses depois, a compra em causa foi aprovada em Conselho de Ministros, tendo o Executivo aproveitado para detalhar que o investimento será pago por receitas anuais do Fundo Ambiental.

Além do concurso, o Metro do Porto espera abrir, até ao final do ano, um aviso-convite (através do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos) para “apoiar investimentos infraestruturas que promovam a mobilidade urbana de baixo teor de carbono”. “Este aviso-convite, que tem uma dotação de 107 milhões de euros, permitirá um investimento total na expansão da rede orçado em 307,7 milhões de euros”, salientou o Governo, na mesma nota.

As obras de expansão do Metro do Porto têm como objetivo permitir alargar “a cobertura de zonas urbanas não servidas”, devendo estar concluídas em 2023.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Metro do Porto abre concurso para compra de 18 composições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião