Flexdeal estreia-se em branco. Bolsa de Lisboa sem brilho em sessão mais curta na véspera de Natal

A sessão do PSI-20 encerrou às 13h e as negociações só regressam dia 27 de dezembro. Por toda a Europa, a tendência foi negativa, a prolongar as perdas da semana passada.

O Pai Natal não trouxe um presentinho ao sapatinho das bolsas, esta segunda-feira. Numa sessão que é mais curta que o habitual, o PSI-20 fechou com uma perda de 0,21% para 4.640,14 pontos, em linha com as principais pares europeias. Em dia de greve nos supermercados, o retalho penalizou o índice, a par dos pesos-pesados EDP e BCP.

Os trabalhadores das empresas de distribuição (super, hipermercados, armazéns e logísticas das empresas de distribuição e lojas especializadas) estão esta segunda-feira, véspera de Natal, em greve por aumentos salariais. Apesar de as lojas estarem a funcionar, as retalhistas reagiram em bolsa, com a Sonae a perder 1% (0,79 euros por ação) e a Jerónimo Martins a desvalorizar 0,69% (para 10,10 euros).

Entre as 10 cotadas do PSI-20 que fecharam no vermelho, destacou-se ainda o BCP, que perdeu 0,61% para 0,22 euros. Na energia, as empresas portuguesas seguiram sentidos contrários: a EDP desvalorizou 0,86% para 2,98 euros, enquanto a EDP Renováveis ganhou 1,67% para 7,60 euros. A Galp Energia valorizou 0,48% para 13,52 euros, num dia de volatilidade para o mercado petrolífero.

Os sinais de que a recente queda nos preços poderão começar a reduzir a oferta nos EUA deu um impulsiono no início da manhã, mas o valor da matéria-prima não resistiu. À hora de fecho das bolsas europeias, o brent perde 0,93% para 53,32 dólares por barril e o crude WTI 1,67% para 44,83 dólares.

Estreia em branco da Flexdeal

Além de mais curta, a sessão na bolsa de Lisboa ficou também marcada pela estreia de uma nova cotada. Após a colocação privada de um milhão de novas ações (a um preço fixo de cinco euros) que resultou num aumento de capital de cinco milhões de euros, a Flexdeal foi admitida à negociação no mercado regulado da Euronext Lisbon, esta segunda-feira.

É a primeira Sociedade de Investimento para o Fomento da Economia (SIMFE) portuguesa e resultante de um novo regime criado no âmbito da dinamização do mercado de capitais prevista no Programa Capitalizar. O objetivo é o investimento em pequenas e médias empresas (PME), mas também em mid caps e small mid caps. A Flexdeal detém uma carteira 12 milhões de euros em 27 participações. Nos primeiros 12 meses de atividade (terminados em setembro), os rendimentos da sociedade atingiram um milhão e meio de euros.

A lei das SIMFE obriga a que estes veículos sejam cotados em bolsa até um ano depois de serem aprovados pela CMVM. No caso da Flexdeal, a entrada aconteceu a duas semanas do fim do prazo (que terminava a 5 de janeiro). A empresa, que tem uma capitalização de 16 milhões de euros, negoceia de forma contínua, mas na primeira sessão não negociou.

Europa pintada de vermelho

As ações na Europa mantiveram-se próximas de mínimos de dois anos, seguindo a tendência negativa na Ásia e EUA. Os receios de desaceleração económica global, associada nos últimos dias à paralisação do governo norte-americano e, consequente, instabilidade política no país, têm liderado os principais fatores que castigam as bolsas.

O índice pan-europeu Euro Stoxx 600 perdeu 0,53%, enquanto o francês CAC 40 tombou 1,5%, o espanhol IBEX 35 caiu 0,94% e o britânico FTSE 100 cedeu 0,6%.

“Os mercados ainda estão pressionados da atualização mais hawkish da Reserva Federal norte-americana, na semana passada, que é exacerbada pelos medos de desaceleração do crescimento e maiores custos de refinanciamento após anos de estímulos”, afirmou Mike Van Dulken, head of research da Accendo Markets, em declarações à agência Reuters.

Na semana passada, Wall Street viveu a pior semana em mais de sete anos e prepara-se para fechar o pior ano desde 2008, o que gerou preocupações na administração liderada por Donald Trump. Durante o fim de semana, o secretário de Estado norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, convocou os CEO dos seis maiores bancos dos EUA para debater os níveis de liquidez necessários para garantir a estabilidade financeira no país.

No mercado cambial, o euro aprecia-se 0,34% para 1,1404 dólares. Os juros das dívidas soberanas da Zona Euro seguem em alta, com a yield das obrigações portuguesas a 10 anos a agravarem 3,2 pontos para 1,687%.

(Notícia atualizada às 13h15)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Flexdeal estreia-se em branco. Bolsa de Lisboa sem brilho em sessão mais curta na véspera de Natal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião