Padaria Portuguesa cria Academia. Quer ser referência na formação em restauração

Rede de padarias tem nova coqueluche: a Academia é a materialização de um sonho e uma útil evolução da empresa. A ideia é que todos os 1.200 colaboradores -- e os que hão-de vir -- passem por ela.

Na loja da avenida lisboeta, a 59ª da rede, trabalham 30 pessoas.Paula Nunes/ECO

É diretora de Recursos Humanos mas, nos primeiros cinco dias de Padaria Portuguesa Mara Ângelo esteve atrás do balcão, em loja. “Foi uma amostra representativa: passei pela fábrica, centro logístico, supervisores”, conta, ao ECO. Desses dias, Mara recorda muitas coisas, sobretudo as que lhe repetiram muitas vezes. “Deu-me para perceber alegrias e desafios mas, sobretudo, para entender que as pessoas sentiam falta de desenvolvimento. E de uma abordagem à gestão do desenvolvimento e, não só à rentabilidade”, explica.

Mara, como muitos dos seus colegas, sentiu na pele aquilo que A Padaria sentia praticamente desde o início: a necessidade de formação estruturada e formal. Até agora, n’A Padaria Portuguesa havia formação mas “não havia uma estrutura agregadora”. “A passagem do conhecimento era muito informal e, por isso, havia muito trabalho a fazer”, clarifica Mara Ângelo. Mas isso mudou. É que A Padaria Portuguesa acaba de inaugurar a Academia da Padaria Portuguesa, uma plataforma de formação que sistematiza conhecimento e dá ferramentas aos mais de 1.200 trabalhadores da empresa, que conta já com mais de 50 lojas. Como que objetivo? Tornar-se uma referência no setor.

“A Academia é um sonho e tem a ver com a necessidade de estruturar a passagem do conhecimento”, explica a responsável. Mara Ângelo, n’A Padaria desde abril, ficou com a “pasta” da Academia. Mas a escola de formação, acrescenta, vai muito para além do espaço físico, que funciona no piso debaixo do Lab, o laboratório de experiências d’A Padaria Portuguesa, inaugurado este ano.

“A Academia foi feita a pensar nas pessoas que já cá estão. Tivemos muitas pessoas a serem promovidas ininterruptamente desde que começámos e que não foram acompanhadas como deveriam, de maneira a irem potenciando os seus conhecimentos. E temos também muitos recursos que nem sempre são especializados em restauração”, justifica. Por isso, o espaço é, além de um local de formação, a oportunidade ideal para partilhar experiências.

“Queremos que a academia possa ser uma referência para o mercado no setor. Não se trata só de dar aulas mas de ter formação teórica e mais estruturada. Sabe-se que 10% do que conhecemos aprende-se com um curso, 20% com outras pessoas e os restantes 70% com os desafios que colocamos a nós próprios. Queremos trabalhar nestes três formatos”, diz Mara.

Uma loja igual às outras

A formação e profissionalização dos trabalhadores começou em outubro com o “Sorria, está a ser filmado”. “Criámos o programa para fazer um refresh no atendimento. Não basta que as pessoas sejam simpáticas, é preciso haver formação em atendimento que conta com o conhecimento das pessoas. E espaço de treino para pensar a parte técnica e comportamental para dar uma estrutura ao atendimento”, explica. Daí que a Academia tenha também uma loja recriada: para que os formandos possam testar o que aprendem num ambiente a que estão já habituados.

“Queremos dar formação de acolhimento. As pessoas, quando chegam à Padaria, vão ter formação mais estruturada e inicial”, diz ainda. Os primeiros a terem formação foram as chefias (gerentes e subgerentes de loja e responsáveis de turno) mas a ideia é que seja transversal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Padaria Portuguesa cria Academia. Quer ser referência na formação em restauração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião